“O presente está chegando”, diz Eduardo Bolsonaro sobre entrega de Battisti para fascistas italianos

cesare-battisti-1024x634-1024x585 (2)

Da redação – O deputado federal de extrema-direita Eduardo Bolsonaro, filho do golpista ilegítimo Jair Bolsonaro, realizou duas ações típicas da extrema-direita, após a confirmação da “vitória” fraudulenta de Jair Bolsonaro (PSL) para presidência golpista. Primeiro, agradeceu ao herdeiro de Benito Mussolini, o ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, pelo apoio nas declarações do primeiro e segundo turno, e, segundo, dizendo no Twitter: “o presente está chegando”, em referência à extradição de Cesare Battisti.

Brevemente, devemos lembrar que Salvini pertence a um grupo denominado Liga do Norte, que prega a superioridade dos nórdicos italianos sobre os sulistas, como os bolsonaristas fazem através de ataques xenofóbicos, e, como desnudado aqui, são herdeiros da política do fascismo italiano.

O fascista italiano havia parabenizado o fascista brasileiro no último domingo (28), dizendo que sua vitória reforçaria a amizade entre os dois países, como denunciado neste diário que leva a sério a relação internacional entre as burguesias, a direita e a extrema-direita, orquestradas pelos países imperialistas para atacar as organizações operárias.

A situação é grave e merece atenção da esquerda, que deve denunciar amplamente pois a extradição de Battisti já foi aceita pelo governo de Michel Temer. Battisti se mantém no Brasil graças a uma liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, relator do processo que ainda decidirá se a decisão tomada por Luiz Inácio Lula da Silva – em 2010 – pode ser revertida.

O avanço da extrema-direita deve ser denunciado, combatido nas ruas, pois indivíduos como Bolsonaro – e seus filhos -, estão pregando abertamente a caça à esquerda. Devemos deixar claro que, para os partidos da esquerda pequeno-burguesa brasileira, ainda mais após o candidato do PT, Fernando Haddad, parabenizar Bolsonaro pela “vitória”, esses ataques parecem não representar perigo real. Esses partidos não levam a sério o avanço das ameaças imperialistas, os ataques da extrema-direita, as invasões de sedes do PT, universidades, sindicatos, o assassinato de militantes, dos companheiros na luta do campo, e agora, a entrega de militantes da esquerda para os fascistas italianos. 

É preciso uma campanha em torno dessa perseguição de Battisti, como a perseguição à Dirceu, Dilma e Lula, para que o povo se organize na defesa de suas lideranças, nas ruas, através de suas organizações, da CUT e pela construção de um amplo movimento popular classista que derrote o golpe. A vitória de Bolsonaro é uma fraude e o golpista deve ser combatido com a política correta: a construção de comitês de luta contra o golpe.

Veja o programa Causa Operária TV Entrevista, que recebeu Carlos Lungarzo, autor do livro: Os cenários ocultos do caso Battisti: