Imposição dos golpistas
Com a pandemia do covid-19, um dos fatores determinantes da letalidade é a demora no atendimento em UTI’s. E aí, o problema se agrava para os trabalhadores da periferia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
tgtg__4_-1044807 (1)
Rio de Janeiro: já são 3.993 mortes pelo coronavírus, com 37.912 infectados. | Imagem: reprodução

Com a pandemia do covid-19, um dos fatores determinantes da letalidade é a demora no atendimento em UTI’s. Em decorrência, o problema se agrava para os trabalhadores, isso se dá porque as unidades de saúde ficam muito longe da periferia. Segundo a pesquisa da ONG Viva Rio, mais de 70% das pessoas sequer procura tratamento, o que tem relação direta com a falta de assistência do poder público.

Dessa forma, uma pesquisa da ONG Viva Rio e da MN Estatística revela que, nas comunidades e periferias fluminenses, os efeitos da Covid-19 são agravados pela falta de assistência de saúde. Assegura que do total de vítimas fatais do novo coronavírus nessas áreas, 20% morreram em suas próprias casas e, destas, 75% sequer procuraram ajuda médica.

A situação em todo o Estado do Rio de Janeiro, segundo boletim divulgado neste domingo, dia 24, já são 3.993 mortes pelo coronavírus, com 37.912 infectados, 3.379 a mais que no sábado.

Contudo, nas regiões abrangidas pela pesquisa, os dados — coletados entre 9 e 16 de maio, a partir do cadastro de 32.037 famílias que recebem cestas básicas do projeto SOS Favela em 332 comunidades e 29 municípios — mostram que há pelo menos um caso de pessoa infectada em 8,8% dos domicílios.

Dos doentes que morreram sem receber assistência médica, 11,9% moravam na Baixada, 11,6% na capital, 9,5% em São Gonçalo, 3,3% em Niterói e 3,1% no interior. Ainda de acordo com o levantamento, metade dos moradores de favelas e periferias da capital e da Baixada vivenciou a morte de pessoas próximas com suspeita de coronavírus. E, considerando também os casos que não resultaram em morte, foi possível verificar que 75,5% dos contaminados não buscaram atendimento em unidades de saúde públicas.

Outro aspecto constatado foi que a maioria dos infectados tinha entre 25 e 59 anos, fazendo parte de um grupo que precisa se locomover de casa para o trabalho regularmente. O antropólogo Rubem César, que participou da pesquisa, observa que o vírus levou um tempo para atravessar o Túnel Rebouças, mas hoje os piores indicadores se encontram na Zona Norte:

— “São pessoas que trabalham para a classe média que mora nas áreas que foram infectadas primeiro, como a Barra e a Zona Sul, trazendo o vírus de fora do país. Quando a pandemia começar a diminuir nas cidades, ela vai aumentar nessas regiões”.

O que mascara o escândalo ainda maior e uma revolta da população é a subnotificação. Ou seja, pelo menos 40.700 famílias já tiveram um morador com diagnóstico positivo para Covid-19. Na favela Tavares Bastos, no Catete, o mototaxista Fábio Alves da Silva, de 45 anos, começou a passar mal em 4 de maio e, no dia 15, foi internado no Hospital Ronaldo Gazolla, em Acari, com 50% dos pulmões comprometidos.

Portanto, a subnotificação é um fator preocupante. No Parque da Cidade, na Gávea, vive o motorista escolar Waldir Cavalcante, de 54 anos, que passou três semanas isolado no quarto após ter os sintomas da doença, sem diagnóstico fechado, como ele, outros tantos.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas