Menu da Rede

É preciso intensificar campanha por novas mobilizações

De escravo a capitão do mato?

O povo agora poderá ser acionista de empresas multinacionais?

A mira está no bolso do trabalhador. Este corre o risco de perder até o bolsa família apostando na Bolsa "dos banqueiros"

Símbolos da decadência e do parasitismo da burguesia – Foto: DannyFina

A chamada de matéria do Uol economia diz que agora todos poderão comprar ações de grandes empresas estrangeiras. Com as modificações que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) está implantando a partir de 01 de setembro, as BDRs, ou Brazilian Depositary Receipts (sigla em inglês que se refere aos Recibos de Depósitos Brasileiros no exterior) poderão ser adquiridas por qualquer pessoa e não será mais restrita a investidores com um mínimo de 1 milhão de reais. Estes que são classificados como investidores qualificados.

Essa matéria destaca como exemplo as gigantes de tecnologia, Google, Facebook, Amazon e Tesla que produz carros elétricos. E enfatiza o aumento de opções para os investidores.

Os BDRs podem ser patrocinados e não patrocinados. Os patrocinados são oferecidos pela própria empresa, por exemplo: a Google emite ações e emitem os BDRs para comercializar em outros países, no caso o Brasil. Já os não patrocinados são oferecidos por instituições financeiras que compram as ações e emitem esses BDRs. Em ambos os casos as ações da empresa ficam bloqueadas, em custódia, como garantia do contrato para comercialização das ações.

A maioria dos BDRs no Brasil são do tipo não patrocinados, ou seja, foram oferecidos pelas instituições financeiras. E só podiam adquirir os investidores qualificados, a saber, os que tinham mais de 1 milhão de reais para investir.

O que muda é que estão abrindo a comercialização para os não qualificados, a única exigência que a CVM faz é que  a Bolsa onde as ações são comercializadas seja qualificada como importante e citam a Bolsa de Nova Iorque como exemplo.

A abertura para comercialização, a saber para os trabalhadores, tem como exemplo de qualificação  importante a “qualificada Bolsa de Nova Iorque”, onde em 2008 houve uma grande quebra por conta dos créditos imobiliários sem lastro, e também a grande quebra do ano de 1929, também sem lastro de garantia. 

Em ambos os casos a quebradeira se alastrou por todo o planeta, comprometendo as economias, aumentando a fome, miséria para os trabalhadores. Enquanto isso as empresas que resistiram ao colapso, cresceram e se agigantaram, passando a partir da grande guerra, a abrir empresas em outros países. Essas empresas são conhecidas hoje como multinacionais.

E em meio a essa enorme crise econômica que é afetada pela pandemia, vem a pergunta que não quer calar. Qual o real interesse em abrir o mercado para a participação dos mais pobres ou por assim dizer, os menos ricos? Querem distribuir parte dos lucros ou dividir os enormes prejuízos vindo com as crises?

Depois que o sistema capitalista gerou para os trabalhadores a perda generalizada de emprego e renda, e sem previsão de retorno à normalidade, agora vem oferecer a “oportunidade” de ganhos com ações que eram exclusivas de grandes investidores.

Seria isso a demonstração de que estão com a consciência pesada? Irão amenizar a desgraça e pobreza que causaram aos trabalhadores? Difícil de crer. É mais fácil acreditar em papai noel ou no coelhinho da páscoa.

Sendo que nada fizeram para para combater o coronavírus, e assim diminuir as mortes. Também negaram até o último segundo dar uma renda miserável de 600 reais para os trabalhadores desempregados poderem sobreviver nessa pandemia.

Querem na verdade, retirar os últimos tostões do bolso dos que já estão em situação de miséria. O povo precisa criar conselhos de moradores e discutir como organizar as manifestações contra a fome, miséria, falta de moradia, de assistência médica, de água e esgoto, e escolas.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.