PDT em Fortaleza
Funcionário de Ciro Gomes ganhou as eleições, mas teve mais problemas que o esperado.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
O governador Aécio Neves se reuniu, nesta terça-feira (16/07), no Palácio das Mangabeiras, com o ex-presidente Itamar Franco. Também estiveram presentes, o ex-governador Francelino Pereira e o deputado federal Ciro Gomes (PSB/CE).

Crédito: Pedro Cisalpino-SES
Foto antiga de um encontro amistoso entre Itamar Franco, Ciro Gomes e Aécio Neves. | Foto: Pedro Cisalpino-SES

As eleições municipais de 2020 no Brasil mostraram que a frente ampla, sob ponto de vista da esquerda pequeno burguesa e capituladora foi um fracasso. Partidos como PCdoB, PDT, PCB e PSTU – os dois últimos frenteamplistas “envergonhados” – encolheram eleitoralmente. Mesmo que as eleições tenham sido uma fraude, é bom lembrar que estes partidos apoiaram a fraude, como um todo, tanto ao não denunciarem o grande esquema para reconstrução da direita – dita civilizada – quanto ao se aliarem a esta direita.

No Ceará, o principal nome da frente ampla é o “abutre parisiense”, Ciro Gomes (PDT), que mexe, para lá e para cá, os cordões da política cearense. Ciro é o exemplar da frente ampla em seu estado mais finalizado. Basta lembrar seu início do PDS, partido de apoio à ditadura, e toda sua trajetória em partidos burgueses, como PMDB (agora MDB), PSDB, PPS (agora Cidadania), PSB, PROS e, agora, PDT. Os leitores mais incautos observarão um padrão geral de “ida à esquerda”, entretanto, isso é completamente falso.

O que ocorre é que a maioria dos citados partidos não passam de legendas de aluguel para candidatos com o mais variado tipo de interesses carreiristas. O fato de uns serem mais a esquerda que é outros, no fim das contas, é mera perfumaria para criar pauta aos “analistas” políticos e entreter as claques eleitorais. Então, as mudanças partidárias de Ciro não são “uma guinada à esquerda”, mas simplesmente a oportunismo do mesmo ao encontrar “vazios políticos”. No PDT, por exemplo, depois da morte de Leonel Brizola, abriu-se um vácuo ao qual Ciro Gomes busca preencher. Em termos diretos, Ciro usa o “cadáver de Brizola” para fingir que é “trabalhista” ou até mesmo de esquerda.

Ciro Gomes, entretanto, não age sozinho, junto com ele carrega, para todos os partidos que participa, outros políticos cearenses, como seu irmão Cid Gomes e José Sarto Nogueira. Este último foi seu escolhido para representar os interesses da ala esquerda da frente ampla em Fortaleza.

Sarto, assim como Ciro, é uma criatura da direita. O prefeito eleito de Fortaleza começou sua carreira em um dos partidos mais conservadores da política brasileira, o PDC (depois PSDC e, agora, DC). O PDC foi (e até hoje é) um partido ligado aos setores mais conservadores da igreja católica, especialmente facções notadamente fascistas como Opus Dei. O restante da trajetória partidária de Sarto é idêntica a de Ciro Gomes, provando que, assim como Ciro, Sarto também não passa de um direitista fantasiado de esquerdista para enganar os trabalhadores.

Entretanto, a estratégia de Ciro continua fracassando, como fracassou em 2018, onde cumpriu um ridículo papel nas eleições, provando a todos que não passa de um candidato sem apoio popular algum. Em 2020, em Fortaleza, apesar de contar com todo apoio da máquina estatal e de mais 16 partidos (PSDB, DEM, PSD, PSB, PP, PTB, PL, Cidadania, Rede, PSL, PSOL e outros, além do próprio governador do PT), seu funcionário, Sarto, se viu ameaçado pelo candidato bolsonarista, Capitão Wagner.

As ações da frente ampla cearense foi criar um segundo turno entre o seu candidato (Sarto) e um candidato espantalho bastante bolsonarista (Capitão Wagner). Para isso, Ciro e seus comparsas – dentre eles setores direitistas do PT, como o governador Camilo Santana, um agente de Ciro no PT – sabotaram de todas as maneiras a candidatura do PT à prefeitura, Luizianne Lins, de modo a impedir que ela chegaste ao segundo turno contra Sarto.

Luizianne Lins tem longo histórico de denúncia e combate a Ciro. Em 2018, Luizianne já denunciava as mentiras de Ciro ao se dizer direitista. Para ela, ele nunca foi de esquerda, pois desde 1986, com a eleição de Tasso Jereissati, Ciro sempre está no governo, trocando apenas sua “lealdade”.

A deputada federal pelo PT também desmascarou a fraudulenta foto de Ciro Gomes com Lula. Segundo a mesma, a tal reunião não ocorreu e a foto foi tirada em anos anteriores.

A análise preliminar do resultado eleitoral mostra que a tática da frente ampla de criar uma frente eleitoral palatável tanto à esquerda eleitoreira quanto à direita “civilizada” não possui o poder eleitoral necessário e, portanto, não consegue se “vender” para a burguesia como uma opção de baixo risco.

A burguesia não possui grilhões morais ou éticos como tanto propagandeia. Pelo contrário, joga com todas as “cartas” e, caso a frente ampla não se mostre eleitoralmente viável, apoiará candidatos da extrema-direita bolsonarista como o próprio Capitão Wagner.

O jogo que Ciro Gomes e os frenteamplistas cearenses jogam é de altíssimo risco para a classe trabalhadora. Em um cenário de extrema polarização, causada pelas crises econômica e sanitária, a frente ampla ataca os setores à esquerda e a vanguarda operária com o intuito de lançar-se como única alternativa viável à extrema-direita. Entretanto, isto não diminui a polarização, mas cria e fortalece quadros fascistas.

A população não quer e está cansada de elementos direitistas em partidos de esquerda. Isto se reflete na altíssima abstenção nas últimas eleições. Ao invés de conquistar os votos da esquerda, a frente ampla cria a total descrença no sistema eleitoral e impulsiona as eleições de elementos fascistas.

A situação se repete em outros lugares do nordeste, onde governadores da esquerda topam quaisquer tipos de alianças com elementos mais reacionários possível sob pretexto de combater o fascismo, mas que, no fim das contas, só fortalecem a direita e a extrema-direita.

Portanto, é necessário combater a frente ampla com golpistas e desmascarar a manobra da direita para continuar no poder e consolidar o golpe de estado. A esquerda deve rejeitar os golpistas e se unificar sob as bandeiras do Fora Bolsonaro e da candidatura de Lula.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas