Política operária
Seminário realizado pelo Partido reforça compromisso com os interesses dos trabalhadores, que não serão conseguidos com demagogia mas com luta
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
IMG_8543
Partido se une com a classe operária | Foto: Arquivo/PCO

O  seminário promovido Partido da Causa Operária, ocorrido no último final de semana, demonstrou mais uma vez a força da política operária diante das eleições municipais de 2020. Ao contrário dos partidos que se propõe a administrar o patrimônio público para os banqueiros e demais setores de ponta da burguesia, os candidatos do Partido entram na campanha com um programa dedicado às lutas da população, dos trabalhadores, da juventude e demais setores do povo, hoje ameaçados pela política genocida do regime de ditadura cada vez menos disfarçada.

A imprensa burguesa já tratou de mover sua artilharia contra a política do Partido, criticando-nos por uma suposta falta de propostas. O que o argumento busca esconder é que a mobilização popular contra o regime golpista de Bolsonaro é a única proposta concreta e viável no momento.

Com o País sob intervenção e a resposta taxativa da burguesia em relação à tentativa do governo de criação de um programa social, fica claro que nada do recurso público deve ser gasto com os interesses da população, nem mesmo para fazer demagogia e mitigar a situação explosiva em que o Brasil se encontra.

Empobrecimento, carestia, miséria, fome, destruição do patrimônio ecológico, destruição da economia nacional,… Tudo perfeitamente aceitável para a burguesia, que só elevou o tom contra o governo de maneira mais séria diante das tentativas de uso de dinheiro público para o assistencialismo. 

Em quadro como esse, é simplesmente inimaginável que os grandes capitalistas estejam dispostos a aceitar gastos com a reconhecidamente péssima infraestrutura das cidades brasileiras, por mais que tentem levar o debate político municipal para esse rumo. Uma manobra que lamentavelmente é aceita pelos setores mais capituladores da esquerda.

A  situação, portanto, aumenta a responsabilidade do PCO nas eleições municipais, na medida em que seus candidatos se projetam para serem os únicos a defenderem uma alternativa real às graves ameaças que cercam a população, cujos ataques não serão superados com demagogias e promessas eleitoreiras, típicas da política burguesa, mas com a luta dos povos oprimidos por seus interesses.

Só a mobilização popular pode por fim ao regime golpista de Bolsonaro, e todas as ameaças que acompanham um regime político putrefato. Por isso, o PCO longe de vender ilusões, convoca a luta. Que as eleições sejam o palco da luta popular contra Bolsonaro e todos os golpistas

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas