Julgamento do mensalão
Um dos mais importantes dirigentes petistas foi condenado sem prova alguma
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ZéDirceu
José Dirceu | Foto: Lula Marques/Fotos Públicas

Muito embora o golpe de Estado contra o governo Dilma Rousseff tenha se dado em 2016, a ofensiva da burguesia contra o PT já vinha se desenvolvendo havia anos. Um dos exemplos mais emblemáticos disso, que demonstrou cabalmente que a burguesia estava demolindo os poucos direitos democráticos para estabelecer um novo regime, foi o julgamento do “mensalão”, iniciado em 2012. Com o apoio da Revista Veja e de toda a imprensa burguesa, o processo acabou se tornando um eixo central para a mobilização de setores da extrema-direita.

Dentre os “julgados”, a figura mais importante, sem qualquer dúvida, era a de José Dirceu, fundador do Partido dos Trabalhadores e ex-ministro da Casa Civil. Muito mais do que um mero burocrata, Dirceu se tornou um dos principais dirigentes e estrategistas do partido. Seu nome chegou, por muitas vezes, a ser apontado para substituir o ex-presidente Lula quando este terminasse os mandatos.

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu condenar José Dirceu por corrupção ativa em 9 de outubro de 2012. Na época, a cabeça de Dirceu foi exibida como um grande trunfo da luta contra a corrupção, que seria explorada intensamente pela burguesia durante todo o golpe de Estado. O caso do mensalão, por sua vez, foi apresentado como uma grande aberração, um escândalo especial de corrupção cujo julgamento resultaria em um grande fortalecimento das instituições públicas. Mentira pura.

O mensalão não passou de um típico esquema de corrupção no Congresso Nacional. Durante todos os governos do atual regime político, a corrupção de deputados é o meio mais comum de a burguesia conseguir garantir que seus interesses sejam efetivamente atendidos. No caso do governo Bolsonaro, por exemplo, a Reforma da Previdência só foi aprovada por causa da compra de votos dos deputados por meio de emendas parlamentares. A operação foi feita às claras, sem qualquer alarde da imprensa capitalista.

Todo o foco dado ao julgamento do mensalão se deu porque, para a burguesia, era importante, naquele momento, cumprir dois objetivos: desmoralizar o PT, de modo a expulsá-lo do regime político, e estabelecer condições para uma ditadura contra os direitos do povo. E o caso de José Dirceu é exemplar nesse sentido.

José Dirceu foi condenado pelo STF sem ter qualquer prova apresentada contra si. Embora tenha apontasse Dirceu como um grande mafioso e corrupto, cuja condenação levaria a um grande resultado civilizatório, a burguesia foi incapaz de demonstrar a materialidade do crime que teria cometido. Ao contrário disso, a direita tirou do bolso a “teoria do domínio do fato”, uma arbitrariedade escandalosa. Segundo os ministros do STF que utilizaram tal “teoria”, José Dirceu deveria ser condenado porque, como ele estava em um cargo superior a alguns indivíduos que cometeram crimes, ele não poderia não saber desses crimes.

Com efeito, da condenação de Dirceu em diante, o que se viu foi uma propaganda muito intensa da burguesia e um avanço da extrema-direita sobre os direitos democráticos mais elementares. A prisão de Lula e a cassação de seus direitos políticos também ocorreram sem qualquer tipo de prova, no final das contas.

O Partido da Causa Operária foi a única organização da esquerda a denunciar que o julgamento do mensalão e, consequentemente, a condenação de Dirceu, não passava de uma arbitrariedade, parte de uma engrenagem da ofensiva da burguesia que procurava derrubar o governo petista. Para o PSOL e até mesmo setores do PT, contudo, José Dirceu não deveria ser defendido. Pressionados pela extrema-direita, o que a esquerda pequeno-burguesa defendia, à época, que Dirceu fosse trucidado pelo Judiciário porque considerava que isso facilitaria o surgimento de outras figuras da esquerda no cenário político. Uma concepção mesquinha, ultra oportunista e completamente equivocada. Como os golpes anteriores já haviam mostrado, quando a direita ataca um partido de esquerda, por mais reformista e limitado que seja, a esquerda toda de conjunto sofre com a ofensiva.

Indo completamente na contramão da política oportunista da esquerda pequeno-burguesa, o PCO organizou uma verdadeira campanha em defesa dos direitos políticos de José Dirceu e de denúncia do golpe de Estado. Naquele período, o Partido dispunha de uma pequena participação na televisão e na rádio, e utilizou essa participação justamente para defender essa política. Hoje, após a condenação de Dirceu e do golpe de Estado, o PCO não tem sequer direito a um segundo na televisão para fazer suas denúncias, assim como toda a esquerda saiu perdendo com o golpe.

Nesta análise política de 2013, Rui Costa Pimenta analisa a ofensiva golpista e o julgamento do mensalão:

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas