Atos contra a prisão de Lula
O PCO foi a linha de frente dos atos realizados contra a prisão de Lula, sendo o setor que se colocou à frente da campanha pela realização de tais atos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Former Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva is carried by supporters in front of the metallurgic trade union in Sao Bernardo do Campo, Brazil, April 7, 2018. REUTERS/Francisco Proer     TPX IMAGES OF THE DAY
Lula carregado pelo povo que queria impedir a sua prisão no Sindicato dos Metalúrgicos em SBC. | Foto: Reuters.

O Partido da Causa Operária foi a única organização política de esquerda brasileira a elaborar uma política clara e consciente em relação ao desenvolvimento do golpe de Estado de 2016 contra a ex-presidenta Dilma Roussef. Ao menos, desde 2012 o PCO analisou e denúnciou em seus órgãos de imprensa e atividades de rua a preparação da operação política coordenada pelo imperialismo e pelas burguesias nacionais em vários países da América Latina. As tendências golpistas se manifestaram no continente primeiramente em Honduras, no Paraguai e depois claramente no Brasil.

À medida em que o golpe se desenvolveu através da Operação Lava-jato e da campanha difamatória levada adiante por toda imprensa capitalista especialmente voltada contra Dilma Roussef e, em especial, contra Lula, ficou claro que o ataque contra o ex-presidente era uma necessidade para a continuidade do golpe. Na época, a esquerda compreendeu de maneira equivocada que se tratava de um ataque eleitoral ao ex-presidente. Enquanto, o PCO afirmou categoricamente que estava em marcha um processo judicial com características fascistas com o objetivo de prender Lula.

Ainda em 2016, o PCO iniciou uma campanha nacional contra a prisão de Lula com a impressão e colagem de cartazes, entrega de panfletos, distribuição de adesivos, impressão de boletins e jornais.

Fotos:

A campanha foi tamanha que o próprio Lula chegou a comentar publicamente a campanha num ato realizado na quadra dos bancários em São Paulo em 4 de Março de 2016. Após a tentativa velada de prisão na condução coercitiva, quando a Polícia Federal (sob ordens de Sérgio Moro) o retirou de madrugada do seu apartamento em São Bernardo para prestar depoimento no aeroporto de Congonhas em São Paulo e se possível levá-lo para Curitiba, Lula agradeceu os cartazes feitos pelo PCO contra a sua prisão, mas afirmou que era uma campanha que falava de coisas “negativas” como uma prisão e que ele mesmo não acreditava que isso poderia acontecer.

À medida em que os processos da Lava-jato foram avançando contra o ex-presidente Lula, sem provas e sem qualquer base jurídica legal, foram marcados audiências presenciais em Curitiba para julgar o caso. Mesmo sendo absurdo falar em prisão de Lula do ponto de vista jurídico numa audiência para ouvir a defesa, ficou claro para o PCO que a operação golpista estava procurando uma oportunidade para prender o ex-presidente com a menor possibilidade de confronto com a base popular e sindical. Diante dessa situação, o PCO foi a primeira organização a chamar um ato nacional para ocupar Curitiba e impedir a prisão de Lula. Na ocasião, Rui Costa Pimenta, presidente nacional do Partido, chegou a ser ameaçado de  ser processado por um deputado de direita por fazer tal chamado que ganhou grande repercussão nacional.

Veja o chamado do companheiro Rui para ocupar Curitiba em 2017:

Foram realizadas duas audiências presenciais sob órdens de Sérgio Moro com Lula, uma dia 3 de maio e outra no dia 13 de Setembro de 2017. Em ambas as audiência o PCO fez uma enorme mobilização de todos militantes do partido para convocar toda a esquerda para comparecer aos atos nacionais e não deixar predenrem Lula. Foram feitos mutirões de ligações para convocar trabalhadores e para pedir contribuições para pagar os ônibus para Curitiba que saíram de todas as regiões do Pais, do Norte ao Sul do país caravanas atenderam ao chamado para defender o ex-presidente.

Veja aqui o vídeo com a intervenção do companheiro Antônio Carlos Silva, da direção nacional do PCO, no ato em Curitiba do dia 13 de Setembro:

Na audiência marcada para julgar o processo em segunda instância pelo TRF-4, em Porto Alegre, novamento o PCO fez uma chamado à toda esquerda, sindicatos, movimentos populares e mobilizou todas as suas forças para ocupar as ruas de Porto Alegre contra o processo farsa.

Quando então saíram as órdens para prisão do ex-presidente Lula e o mesmo decidiu ir para o Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo, o PCO fez um chamado para ocupar as ruas de São Bernardo e não deixar levar o ex-presidente. Foram convocados militantes e trabalhadores das regiões próximas a São Bernardo, como São Paulo, para se dirigirem imediamente ao sindicato e resistirem ao qualquer tentativa de levarem o ex-presidente.

Ao redor de todo prédio do sindicato foram colados cartazes feitos pelo PCO contra a prisão de Lula e a palavra de ordem feita pelo PCO de “Não deixar prender” tomou corpo na boca do povo que se aglomerou ao redor do sindicato. Na ocasião foram marcantes a presença do militantes do PCO com suas bandeiras e postura firme do partido pele resistência popular contra a prisão. Depois de muita discussão e um temor da imprensa golpista pela possível resistência contra a prisão, o ex-presidente Lula acabou decidindo se entregar sob algumas condições, ouvindo conselhos da ala direita do PT, como o advogado José Eduardo Cardoso, que garantiu que Lula seria solto em alguns dias. Mais uma vez, o PCO, juntamente com militantes da base do PT se colocou contra a decisão de entrega de Lula e fizeram uma barreira humana na porta do sindicato que ficou conhecida em todo país.

Veja algumas fotos do ato no Sindicato dos Metalúrgicos de SBC:

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas