Hino do Rio Grande do Sul
Mais uma vez, a esquerda identitária, a partir de seus códigos morais, quer jogar na fogueira a produção cultural humana
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Movimentação de plenario.
Câmara dos Vereadores de Porto Alegre | Foto: Tonico Alvares/CMPA

Na cerimônia de posse dos “ilustres” vereadores da Câmara Municipal de Porto Alegre, eleitos em meio a uma fraude total em 2020, representantes do PT, do PCdoB e do PSOL “protestaram” contra o hino oficial do Rio Grande do Sul. Matheus Gomes, vereador negro do PSOL, foi quem mais teve destaque no “protesto”, permanecendo sentado durante a execução da canção considerada “racista”.

O grande motivo para o “protesto” são os seguintes versos do hino gaúcho:

“Mas não basta, pra ser livre
Ser forte, aguerrido e bravo
Povo que não tem virtude
Acaba por ser escravo”.

Segundo o Matheus Gomes,

“Nós, como bancada negra, pela primeira vez na história da Câmara de Vereadores, talvez a maioria daqui que já exerceram outros mandatos não estejam acostumados com a nossa presença, não temos obrigação nenhuma de cantar um verso que diz: ‘povo que não tem virtude acaba por ser escravo’”

A fala do vereador é uma comprovação do imenso atraso educacional no Brasil dos golpistas. O psolista, embora perito em enrolação e demagogia, é incapaz de interpretar corretamente o hino de seu próprio estado.

O hino, escrito em 1966, quase um século após a abolição da escravidão, remete a outro acontecimento histórico, completamente ignorado por Matheus Gomes:

“Como a aurora precursora
Do farol da divindade
Foi o Vinte de Setembro
O precursor da liberdade”

O dia vinte de setembro, caro leitor, é o dia que teve início a chamada Revolução Farroupilha! O hino é, portanto, uma homenagem a um período heroico do povo sulista, e não aos tempos da escravidão. Se a revolução não foi uma insurgência de escravos contra os seus senhores — mesmo que os revolucionários defendessem a abolição —, por que, então, o trecho destacado pelo psolista estaria relacionado à escravidão? Não faz sentido algum…

“Mostremos valor, constância
Nesta ímpia e injusta guerra.
Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda terra”.

Nos versos acima, fica ainda mais claro o caráter progressista do hino. Trata-se do clamor de um povo que se dispõe a travar uma luta contra seus opressores e exportar a revolução para todo o mundo. É essa, portanto, a grande virtude mencionada no hino: a de um povo dar a sua vida para conquistar a sua liberdade. O hino diz: oprimidos de todo o mundo, encontrem nas suas virtudes a força, a solidariedade e a disposição para enfrentar seus inimigos!

Opor-se ao hino, neste caso, é uma política reacionária. O vereador, finalmente, quer pôr abaixo o espírito progressista de uma canção que procura unificar um determinado povo contra os seus inimigos. Em consonância com o “protesto” do psolista, André Salata, sociólogo e professor da PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), procurou explicar porque o hino seria racista:

“O hino do Rio Grande do Sul gira em torno da Revolução Farroupilha. Não era um conflito que tocava na questão racial. Mas a letra pode ser interpretada como uma culpabilização dos povos negros, por mais que não fosse a intenção original”.

Se não era a intenção original, por que a intenção mudaria? E, pior: o hino não culpa os negros de absolutamente nada, mas é uma lição para todo oprimido, incluindo os negros. A escravidão não é “culpa” dos negros, até porque a história não se desenvolve a partir das “culpas”. Mas se o negro, como qualquer oprimido, não se unificar com seus semelhantes para travar uma luta contra seus opressores, sempre permanecerá escravizado. Na verdade, o que André Salata e o vereador do PSOL apresentam para o negro é o seguinte: “escravos e oprimidos de todo o mundo, como vocês não têm culpa de serem explorados, não façam coisa alguma para mudar sua situação”;

Se, neste caso em si, a oposição ao hino já é reacionária, é preciso ainda destacar que toda tentativa de demolir a produção cultural humana é, em si, algo bárbaro e reacionário. No fim das contas, por um critério moral, a esquerda pequeno-burguesa está propondo jogar na lata do lixo a história de um povo. É exatamente o método das inquisições medievais e da extrema-direita fascista. A única diferença é que, para a Igreja Católica, as proibições são mais bem definidas. Para o esquerdista pequeno-burguês, a referência para o que é moralmente aceitável ou não é sua própria cabeça. Tanto é assim que o próprio Salata admitiu que o hino hoje chamado de “racista” não seria racista na época em que foi escrito…

Mas qual seria o motivo, então, de a esquerda parlamentar adotar uma política tão absurda, que demonstra grande ignorância da história, um conservadorismo extremo contra a luta dos oprimidos e um ataque bárbaro contra a cultura? Embora tudo pareça irracional, há uma razão.

A mesma esquerda pequeno-burguesa, que faz tanto alarde com um hino, se recusa a lutar contra o racismo e contra a direita de conjunto. Foi incapaz, até hoje, de mobilizar o povo contra o governo Bolsonaro, inimigo declarado dos negros e oprimidos. É a mesma esquerda, inclusive, que faz demagogia com a Polícia Militar — como no caso de Luciana Genro (PSOL), que se orgulha de defender os “direitos” da Brigada Militar. Em resumo: uma esquerda que não participa da luta de classes real.

E se não participa da luta de classes real, qual o interesse da esquerda pequeno-burguesa com a política? Ora, porque a política, para esses setores, é uma carreira! E, se assim é, para a esquerda, o povo não deve ser o protagonista das lutas, mas sim uma massa que deve servir somente para referendar sua eterna recontratação nas urnas. Trata-se de uma esquerda, portanto, cretina, que tem como grande objetivo escravizar o povo no regime político burguês.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas