No mundo da fantasia
Não se fazem mais stalinistas como antigamente
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
"Te mando pro gulag": bravata comum em partidas do RPG neostalinista | Foto: Google/R.D.

Com um tabuleiro montado, peças e baralho na mão, as crianças se reúnem para mais uma partida. Cada uma delas cria seu personagem e são vários, para todos os gostos. Três são os mais comuns: o stalinista da velha guarda, o stalinista enrustido e o stalinista jovem, arrojado porém bruxuleante (ora se assume, ora renega o stalinismo). O RPG do “neostalinismo” é a nova moda na esquerda pequeno-burguesa brasileira.

O jogo entrou na moda quando a Rede Globo e a Folha de S. Paulo escolheram um stalinista para chamar de seu (ainda que não o chamem pelo nome). Preferem apresentá-lo sob o título enganoso de “historiador marxista”. Entretidos e empolgados, porém, os jogadores esquecem que se trata apenas de um jogo. Os elogios e o espaço dado pela imprensa burguesa até deixaram o novo “guru” de um velho tropicalista “tonto com o sucesso”.

Os neostalinistas têm saudades de um passado que não viveram. Uma época de gulags, processos de Moscou e assassinatos a sangue frio. Sentem falta de poderes que nunca tiveram. Restam-lhes frases de efeito, clichés e uma dialética de pé quebrado. No mundo de mentirinha em que vivem, dão ordens a uma burocracia estatal e ameaçam os inimigos: “espere pelo gulag”, troçam nas redes sociais. “Picareta neles”, dizem os mais ousados. No mundo real, como não podem riscar seus adversários do mapa, tentam ignorá-los e, no mais das vezes, por ser impossível fazê-lo, menosprezá-los.

Forçados pelo inexorável curso dos acontecimentos políticos, têm que se posicionar diante da realidade. Na conversa de gente grande da política, só fazem repetir as velhas fórmulas do obtuso estadista: unidade com a burguesia e a defesa da democracia. É a política de frente ampla e nada mais. Diante da flagrante contradição entre sua política e os interesses das massas, refugiam-se na “história”, isto é, na história criada por sua própria imaginação, em que Stálin foi o “pai da nação”, seu gênio militar foi essencial na defesa da URSS e o socialismo em um só país salvou a Revolução Russa. No jogo de faz de conta, são grandes e poderosos, têm até o mesmo bigode do “grande timoneiro”. No mundo real, são inofensivos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas