Menu da Rede

Atos de Bolsonaro são menores mas ainda são um perigo

USAID, NED, ADN...

O negócio da democracia em Cuba está bombando

Em matéria, Cuba Debate análise a questão da campanha imperialista "pró-democracia" em Cuba

Imperialismo – Reprodução

Por: Tracey Eaton

Tradução: Márcia Choueri

Publicado em Diferendo Estados Unidos – Cuba, Manipulación y mentiras mediáticas, Relaciones Cuba – EE.UU.

Neste artigo: Cuba, Estados Unidos, Subversão

Uma extensa rede de grupos financiados pelo governo dos Estados Unidos envia dinheiro em efetivo, todos os anos, a milhares de ativistas pela “democracia” cubana, jornalistas e dissidentes.

A qualquer momento, dezenas de organizações gestionam programas de “democracia” na Ilha. Os registros públicos revelam apenas centelhas fugazes do mosaico. Alguns programas são tão secretos, que nunca se revelam os destinatários dos fundos. Os detalhes gerais sobre outros programas se encontram em registros públicos, mas operam em Cuba com a máxima discrição.

Os funcionários estadunidenses dizem que não podem revelar detalhes dos programas cubanos para proteger os participantes de represálias. As estratégias de construção da “democracia” são consideradas “segredos comerciais” e estão isentas de divulgação, em virtude da Lei de Liberdade de Informação ou FOIA, segundo as cartas que recebi do Departamento de Estado e da Agência para o Desenvolvimento Internacional.

Alguns informes dos meios das últimas semanas centraram-se na Digital News Association Inc. Em 12 de outubro, informei que a USAID havia concedido $410,710 à empresa da Flórida, para promover os direitos humanos em Cuba. Na terça, um amigo jornalista me perguntou se sabia se parte do dinheiro era canalizado para ADN Cuba, um sítio web popular que oferece notícias sobre Cuba. É uma pergunta lógica, porque a CEO e diretora executiva da Asociación de Noticias Digitales é Gelet Martínez Fragela, fundadora de ADN Cuba, mas respondi ao jornalista que não tinha ideia de como a associação de notícias estava usando o dinheiro.

Uma pergunta mais ampla, e cuja resposta também não sei, é se os grupos financiados pelo governo dos Estados Unidos estão canalizando dinheiro para o Movimiento San Isidro, que oferece espetáculos musicais e apresentações artísticas.

Os membros andaram protestando contra a detenção do rapper Denis Solís, um membro de San Isidro que recebeu uma sentença de 8 meses de prisão, por insultar um oficial da polícia. Desde então, outros cubanos se uniram ao protesto e exigem não só a libertação de Solís, mas que o governo socialista impulsione a liberdade de expressão e outros direitos básicos.

Com o crescimento do interesse pelo Movimiento San Isidro, em 24 de novembro, o Departamento de Estado ofereceu até 1 milhão de dólares a programas que aumentariam “os direitos civis, políticos, religiosos e trabalhistas em Cuba”. Os funcionários buscam propostas que “fortaleçam a capacidade dos grupos independentes da sociedade civil em Cuba, para promover os direitos civis e políticos na Ilha e aumentar a responsabilidade dos funcionários cubanos por violações de direitos humanos e corrupção”.

Embora o anúncio não mencione o Movimiento San Isidro, é possível que o Departamento de Estado esteja tentando criar impacto antes que o protesto míngue, mas não posso ter certeza disso.

Relacionar eventos e grupos dissidentes em Havana com fundos estadunidenses é sabidamente difícil. Não é só o segredo, mas a grande quantidade de organizações que operam em Cuba.

Pelo menos 54 grupos operaram programas em Cuba financiados pela USAID ou National Endowment for Democracy, aproximadamente desde a época em que Donald Trump assumiu o cargo, em janeiro de 2017.

Os programas geralmente duram de 1 a 3 anos. O quadro seguinte revela uma amostra de grupos que receberam um total de $16,569,889 em subvenções da USAID, desde 2017. Ver gráfico interativo. O gráfico mostra que, ainda que a USAID informe financiamento a apenas cinco ou seis grupos em determinado ano, de fato 9, 10 ou 11 podem continuar funcionando com as subvenções do ano anterior. De forma que há mais atividade do que parece.

Fondos para la Subversion 580x271 1

Este quadro mostra quanto a USAID espera pagar aos grupos ao longo do tempo. A quantidade totaliza $67,020,757, mas provavelmente será menor, porque depende do financiamento do Congresso, que não está garantido. Mas pode-se ver que a continuidade do financiamento também continua ao longo do tempo. Ver gráfico interativo.

dinero para la subversion en cuba 580x298 1

Agora junte à imagem as 40 organizações que a NED financiou para projetos de Cuba desde mais ou menos 2017. O número total de grupos chega a 54, com base numa rápida contagem das organizações que são mais visíveis. Os grupos incluem:

  1. Ágora Cuba Inc.
  2. Arlenica, Arte, Lenguaje e Investigación para el Cambio Social
  3. Asociación Civil Cronos
  4. Asociación Diario de Cuba
  5. Asociación Mexicana para las Naciones Unidas de Jóvenes
  6. Asociación Minga Perú
  7. Fundación Familia Bacardi
  8. Campaña Global por la Libertad de Expresión A 19 AC
  9. Canyon Communications LLC
  10. Caribbean Tales Worldwide Distribution Inc.
  11. Centro por una Cuba Libre
  12. Centro para la Empresa Privada Internacional (CIPE)
  13. Centro de Estudios Constitucionales Iberoamericanos
  14. Christian Solidarity International
  15. Clovek v tisni, ops (pessoas necessitadas)
  16. Cubalex
  17. Dirección Democrática Cubana (Directorio Democrático Cubano)
  18. Fundación Alma Cubana, Inc.
  19. CubaNet News, Inc.
  20. Asociación de Noticias Digitales Inc. (ADN)
  21. Equipo de Ayuda de EchoCuba / Américas
  22. Editorial Hypermedia Inc.
  23. Fundación para los Derechos Humanos en Cuba, Inc.
  24. Proyecto Sociedad Libre Inorporado
  25. Freedom House Inc.
  26. Fundación Cartel Urbano
  27. Fundación Espacio Público
  28. Fundación La Voz Pública
  29. Fundación Pro Bono
  30. Fondo Global de Defensa Legal del Estado de Derecho y la Libertad
  31. Grupo de Apoyo a la Democracia
  32. Grupo Internacional para la Responsabilidad Social Corporativa en Cuba
  33. Instituto de Informes sobre Guerra y Paz (IWPR)
  34. Instituto Cubano por la Libertad de Expresión y Prensa
  35. Insituto de Comunicación y Desarrollo
  36. Instituto de Liderazgo Simone de Beauvoir AC
  37. Instituto Interamericano de Derechos Humanos
  38. Instituto Político para la Libertad Perú
  39. Instituto Prensa y Sociedad
  40. Instituto Internacional de Raza, Igualdad y Derechos Humanos
  41. Plataforma Internacional de Derechos Humanos en Cuba
  42. Instituto Republicano Internacional
  43. Investigación e Innovación Factual AC
  44. Red Latinoamericana y del Caribe por la Democracia Inc.
  45. Centro Latinoamericano para la Noviolencia
  46. Unión Cultural Latinoamericana
  47. Libertatis
  48. Instituto Nacional Demócrata para Asuntos Internacionales
  49. Observatorio Cubano de Derechos Humanos
  50. Ayuda de Extensión a las Américas Inc.
  51. Fundación Panamericana para el Desarrollo Inc.
  52. People in Need Slovakia (PIPA)
  53. Transparencia Electoral
  54. Universidade Sergio Arboleda

Não se incluem, nos 54 grupos, aqueles que recebem financiamento secreto. O Departamento de Estado, USAID e NED informam ter contratados “não revelados” ou “diversos”, cujos nomes não revelam.

Os subcontratados são outros grandes desconhecidos. As grandes ONGs recebem subvenções e rotineiramente contratam subcontratados, mas seus nomes não se tornam públicos.

Outro mistério é quantos cubanos recebem dinheiro de organizações financiadas pelos Estados Unidos. Os registros fiscais dão poucas pistas. Em 2018, por exemplo, o Directorio Democrático Cubano informou haver pagado a 746 “empregados, agentes e contratados independentes” um total de $103,647. O grupo também informou haver pagado um total de $48,628 dólares a 1.930 pessoas em Cuba. Mas é impossível saber quanto do dinheiro da democracia estadunidense termina em Cuba e a quantas pessoas se paga.

1 5
2 5

(Tomado de Cuba Money Project. Publicado com o título: El negocio de la democracia em Cuba está em auge / Traducción Cubadebate)

NR: O termo democracia foi colocado entre aspas em nossa edição pelos propósitos realmente subversivos desses programas e a questionável “democracia” que propõem.

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.