O nazismo foi financiado pelos capitalistas: veja as empresas que foram favorecidas por Hitler

Cj_VGptUgAALKDI

A vitória fraudulenta de Jair Bolsonaro foi vista por muitos elementos de esquerda como culpa povo inculto que deixou-se enganar pelo discurso de ódio do candidato fascista ao invés de escolher os valores democráticos representados pelo outro candidato. As ideias conservadoras venceram as ideias progressistas.

O senso comum pequeno-burguês acadêmico, que domina a intelectualidade de esquerda no país, atribui aos fenômenos políticos em geral uma essência puramente ideológica. Como se as ideias, por si só, pudessem mover o mundo. Os fenômenos progressistas representariam o desenvolvimento espiritual das massas que progressivamente se aproximam dos valores democráticos da pequena-burguesia. As ditaduras e os fenômenos políticos reacionários são a corrupção ideológica e moral dos massas incultas.

Trata-se portanto de um problema de ideologia, uma luta entre, tão somente, ideias progressistas e as ideias reacionárias, e no limiar de educação. Nessa luta imaginária a pequena burguesia é a classe preponderante.

Naturalmente, essa concepção idealista e anti-científica está de acordo com os interesses e os preconceitos de classe da pequena-burguesia, que é por excelência a classe dos ideólogos profissionais da sociedade capitalista. Contudo, essa concepção leva, diante das  manobras da burguesia, a paralisia e a capitulação. Para agir é necessário compreender os fenômenos de maneira cientifica, materialista, marxista.

O fascismo é um caso clássico deste tipo de análise idealista.

A vasta bibliografia deste fenômeno político enfatiza ou a personalidade do Füher ou as condições que levaram o povo alemão “aceitar”, seja por engano, seja conscientemente a solução final, e de como este, o povo alemão, conviveu com o nazismo pacificamente, mas pouco falam da questão principal: a intensa luta entre a classe operária e a burguesia alemãs, entre a revolução e a contra-revolução.

Evidentemente que estas tentativas de explicações não explicam nada. O nazismo Alemão é fruto, não da adoção pela maioria da população de ideias extravagantes e reacionárias, mas de uma política da grande burguesia alemã para mudar a correlação de forças dentro do Estado para eliminar completamente a organização e o poder da classe operária, da esquerda de todo o povo trabalhador que os ameaçava, impondo seus interesses pela força extrema.

Hugo Boss, Schoeder, Thyssen, Krupp, Nestlé e Ford financiaram e apoiaram Hitler e o nazismo. Shroeder, Thyssen e Krupp conspiraram ao lado de Hilter para derrubar a República de Weimar. Para conter a revolução proletária e seguir em frente com na defesa dos próprios interesses a burguesia alemã não se constrangeu em apoiar Hitler, desde que este garantisse segurança e tranquilidade para os negócios da burguesia, mesmo que a custa de milhões de vidas.

O resultado foi um governo exercido diretamente sem necessidades de representantes ou sem precisar negociar com outros setores sociais, pela grande burguesia alemã apoiado em um gigantesco aparato repressivo e em uma das ditaduras mais atrozes que a história ja viu.

Tal como a burguesia alemã apoiou Hitler contra o povo alemão, a burguesia brasileira e Internacional apoia Bolsonaro contra o povo brasileiro, eis o segredo da Vitória de Bolsonaro.

Para compreender o fascismo e como combatê-lo, participe da 43 Universidade de Férias do PCO e acampamento da Aliança da Juventude Revolucionária (AJR), o mais tradicional curso de formação teórica marxista de toda a esquerda nacional. Com o tema: fascismo: o que é  e como combatê-lo.

A Universidade de férias acontece em Janeiro Janeiro 2019 em São Paulo. Entre em contato! Participe!