Terra, água e petróleo
Governo Bolsonaro e a direita no congresso Nacional acabam de votar a entrega de terras para o imperialismo. Até agora entregaram as terras, água e o petróleo de bandeja
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
BRASÍLIA,DF,14.11.2018:BOLSONARO-REUNIÃO-MAIA - O Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) se reúne com o presidente eleito Jair Bolsonaro no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), onde ocorrem as reuniões da equipe de transição, em Brasília (DF), na manhã desta quarta-feira (14). (Foto: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress)
Bolsonaro e Maia: inimigos 'pero no mucho' | Foto: reprodução

No dia 15/12, o Senado Federal aprovou o projeto de lei (PL) 2.963/2019 que permite a venda de grandes extensões de terras férteis brasileiras para pessoas e empresas estrangeiras. Um ocorrido importante de lembrar é que a votação de uma medida de tamanha importância estratégica e de soberania nacional ocorreu de forma unanime e em apenas 44 minutos. A entrega de terras brasileiras para os estrangeiros é uma medida que a direita tenta aprovar há tempos e nunca conseguiu de maneira razoável aprovar a medida. Não encontrava condições para aprovar, mas que o golpe em 2016 e a eleição fraudulenta que levou Jair Bolsonaro a presidência com apoio de toda a direita está criando o cenário perfeito para a aprovação de mais um ataque a soberania nacional.

Para entender os interesses do imperialismo em terras brasileiras é importante ter noção sobre alguns dados. O Brasil é um dos países com mais terras agricultáveis do mundo e talvez o único com potencial de expansão. Tem cerca de 835,5 milhões de hectares de terras e outros 15,9 milhões de hectares cobertos por de lâminas d’água. Desse total, são utilizados para a agricultura 284,23 milhões de hectares, perfazendo 34% do total das terras do País. Só para se ter uma ideia, os dois outros grandes produtores mundiais são a China e Estados Unidos e já utilizam um percentual bem maior de terras para a agricultura: a China, com uma área total de terras de 932,7 milhões de hectares utiliza 59,39 % do total (553,4 milhões) e os Estados Unidos da América com área total de terras de 915,9 milhões, utiliza 44,97% do total, equivalente a 411,9 milhões de hectares.

Mas o Brasil é o único país que ainda possui uma área de reserva de 103,3 milhões de hectares que poderia ser revertida em áreas adequadas para a agricultura.

Outro dado importante é que a área brasileira sob cultivos é ainda pequena, de 49,23 milhões, o restante é de pastagens de baixíssima produtividade sendo que a maioria é somente de fachada para a grilagem de terras realizadas pelos latifundiários. Já a da China e dos EUA são de 142,6 milhões e 176 milhões de hectares, respectivamente. Ou seja, o mercado de terras no mundo já se encontra bem limitado e os países imperialistas voltam os olhos mais uma vez para o Brasil.

Na mesma linha de entrega do patrimônio nacional, em junho o mesmo Congresso Nacional aprovou a privatização da água, o Projeto de Lei (PL) nº 4.162 de 2019 de autoria do próprio governo Bolsonaro. O Brasil é o país que possui grandes reservas hídricas, seja nos rios ou seja no subsolo como o aquífero Guarani, e de longe o que mais possui disponibilidade de água. Segundo a Embrapa, o Brasil possui 19% de todos os recursos hídricos disponíveis no mundo. Não é por acaso que recentemente, a água tornou-se mais um produto a ser negociado na Bolsa de Valores de Nova York. O anúncio foi realizado no início deste mês de dezembro e mostra que houve pressão do imperialismo para a privatização desse enorme patrimônio dos trabalhadores brasileiros.

E também não é de se chocar com a entrega das enormes reservas de petróleo do Brasil e a destruição da maior empresa petrolífera do mundo, a Petrobrás. Após a descoberta do Pré-Sal, o Brasil se tornou o 13° em reservas de petróleo e um dos maiores produtores. E após o golpe, a entrega desse enorme patrimônio se deu de maneira mais intensa e nesse ultimo período, o governo Bolsonaro com apoio do chamado centrão ou direita ‘civilizada’ está destruindo a Petrobrás e entregando as enormes reservas de petróleo e gás.

Toda a direita, bolsonarista ou de “oposição” aprovaram em conjunto sem grandes divergências. Essa votação é mais um exemplo que a direita é ‘nacionalista’ para o imperialismo e contra os interesses da população pobre e trabalhadora do Brasil. Como podemos ver não há nada de nacionalista e somente defendem os interesses do imperialismo que ajudou a dar um golpe de estado no Brasil em 2016 para facilitar essa entrega.

E para barrar toda a entrega desse patrimônio e a transformação do Brasil novamente em uma colônia é preciso derrubar Bolsonaro e conforme observamos não adiante se aliar com a direita ‘civilizada’ também chamada de centrão como o DEM, PSD, MDB e outros, pois estes apoiam o governo Bolsonaro em todos os ataques contra os trabalhadores e a entrega do patrimônio brasileiro para o imperialismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas