O massacre dos negros norte-americanos retratados em obras expostas no MASP

masp

A partir do dia 23 de agosto, o MASP (Museu de Arte de São Paulo) recebe a exposição do escultor negro norte-americano Melvin Edwards de 81 anos. O mote central da obra Edwards é a violência contra o negro. Segregação social, linchamento, racismo etc., adquirem forma através das mãos do artista abstrato, que trabalha com metais retorcidos e fundidos. A exposição é parte do ciclo de histórias afro-atlânticas, eixo curatorial do museu neste ano.

O MASP irá expor a série de esculturas “Fragmentos Linchados”, mais conhecida do artistas. Será a maior exposição do artista fora dos Estados Unidos. O título da série faz menção aos linchamentos que dizimavam a população negra após o fim da escravidão

As obras da série correspondem a diversas fases de sua atividade artística iniciada nos anos de 1960, acompanhando a luta dos negros pelos direitos civis. Os fragmentos surgem em 1963 com a obra Some Bright Morning (Numa bela manhã), obra que trata da violência racial envolvendo uma família da Flórida

Em 1973 o artista retoma os “fragmentos”, suas obras deste período descrevem os conflitos raciais em Nova Iorque durante a guerra do Vietnã. O ano de 1978 marca uma nova fase de sua obra do escultor que passeia e explora a cultura africana. Uma de suas obras, “Palmares” de 1988, presentes na exposição,  fora inspirada por viagens do artista ao Brasil.Resultado de imagem para melvin edwards palmares

As peças são esculturas de parede de pequena escala que tem como matéria prima objetos de aço, como correntes, facas, ferramentas, peças etc. As obras situam-se segunda a crítica entre a abstração e a figuração. Os fragmentos reconstituem uma enorme gama de sentimentos e da experiência da negro no novo mundo.