Liberdade de expressão
A esquerda deve defender a liberdade de expressão
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Daniel-Silveira
Daniel Silveira, o Bolsonarista preso por se opor ao STF | Foto: reprodução

O nosso partido, PCO, já veio várias vezes nesse jornal criticar o identitarismo como uma política pequeno-burguesa com graves tendências direitistas e até fascistóides. Hoje, venho demonstrar nessa coluna que, muito além das tendências, o identitarismo é uma importante arma da burguesia para manobrar as tendências de esquerda ao seu favor.

Primeiramente, é preciso citar o mais profundo apelo identitário dos últimos tempos: o apoio a Biden contra Donald Trump. Nessa situação, ainda longe de acabada, a esquerda identitária internacional se deixou levar pela fervorosa política da “democracia contra o fascismo”, defendendo de olhos vendados a perseguição política a Trump nas redes sociais, a nível judicial, criminal e politico. Essa defesa, também apôs o nosso próprio partido ao restante da esquerda, devido à nossa defesa óbvia da liberdade de expressão: enquanto os direitos políticos de Donald Trump eram rifados, os próprios direitos da esquerda passavam a ser cancelados, na velha tradição de cancelamento da esquerda pequeno burguesa. Quer dizer, se eu não concordo, eu cancelo.

O problema é que, na política real, a da luta de classes, não importa se o cancelador é bem pensante ou não. A política contrária à liberdade de expressão tem um alvo imediato definido: a classe operária e seus representantes. 

Na mesma politica de cancelamento, o STF brasileiro tirou Daniel Silveira da cama para jogá-lo em uma cela suja. Isso motivado pela suposta incitação à violência do bolsonarista contra o STF. Na lei das fake news, a lei tão defendida pela esquerda, uma pessoa foi presa simplesmente por ter uma opinião contrária ao STF. O STF justificou com base na lei da ditadura, a Lei de Segurança Nacional, que ninguém poderia falar coisa nenhuma do tipo contra a vossa excelência. A esquerda identitária logo se viu impelida a pedir o cancelamento do mandato do deputado. Apenas prender? Claro que não.

Quer dizer, pela sua oposição à ordem vigente, o bolsonarista foi preso. 

Mais uma vez, o PCO foi em defesa da liberdade de expressão. Ele disse que não adiantava comemorar a prisão do bolsonarista. Esse era mais um encarcerado como precedente para o precedente da cassação dos direitos políticos de todo o povo brasileiro. A esquerda canceladora, vendo isso, logo veio a público chamar o PCO de bolsonarista. Assim como já nos tinha chamado de trompistas na situação anterior. 

Nessa situação da prisão de Silveira, a Folha de S. Paulo veio a público declarar que essa era uma vitória do centrão e da esquerda contra o próprio Bolsonaro. Claro, uma vitória da frente ampla desmoralizada na enorme derrota anterior nas eleições do Congresso. Esquerda e centrão, sinônimo de frente ampla, precisam vencer. Afinal, são a alternativa do imperialismo para 2022.

Em meio a esses acontecimentos, Guilherme Boulos é intitulado um dos homens do ano pela revista Times. Sim, o mesmo Boulos da manobra em favor dos bolsonaristas na avenida Paulista e da campanha “Não vai ter copa” contra Dilma. Esse título comprova que o imperialismo sabe bem o que faz. Utilizando os homens que deram o golpe de Estado como os grandes heróis da luta contra o fascismo. Colocando os elementos golpistas da esquerda como destaque na luta contra o lulismo. Dessa forma, a burguesia rapineira do imperialismo trabalha para controlar a situação. 

Se será Boulos em 2022, não se sabe. Mas para 2026, já há uma possibilidade. Por isso, o pensamento a longo prazo do imperialismo tende a vencer as lutas políticas. Outras alternativas para serem o Biden do Brasil são o próprio Luciano Huck e Luiza Trajano. A dupla burguesa identitária da vez. 

Quer dizer, claramente o identitarismo é uma ferramenta do imperialismo para a sua dominação.

No sentido oposto, o PCO é chamado de direitista, misógino, dentre outras acusações semelhantes. Contudo, diferente dos líderes identitários do PSOL, o nosso partido foi o único a sair em defesa do ex-presidente Lula e da ex-presidenta Dilma na situação do golpe de Estado. Inclusive, sofrendo processos baseados na Lei de Segurança Nacional por defender a ocupação de Curitiba contra a prisão do ex-presidente Lula. 

Aí entra a questão do STF, ele é o grande defensor da democracia por prender o bolsonarista, ou ele é o grande algoz dos direitos democráticos por prender Luiz Inácio Lula da Silva? 

Certamente, a segunda resposta é a mais válida e, na realidade, explica a primeira: estando encurralado sobre a questão de Lula por conta da desmoralização da Lava Jato, o STF faz de tudo para manobrar e manter impedidos os direitos políticos de Lula. Na mesma situação, fere mais uma vez os direitos democráticos prendendo o bolsonarista como um precedente para a perseguição de qualquer setor radical da sociedade que saia em defesa de Lula contra o tão democrático STF. 

Se acima é exato, não se sabe. Mas o fato é que pau que bate em Chico, bate em Francisco. Os inumeráveis opositores da ditadura militar sabem bem disso. Será que será necessária uma nova ditadura para ensinar os identitários a serem de esquerda?

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Send this to a friend