Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

No auditório lotado da Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Gestão de Políticas Públicas (Face), os estudantes protestaram durante as falas de Denise Imbroisi, decana de Planejamento e Orçamento da UnB e da reitora, Márcia Abrahão. Elas disseram ser necessário cortar gastos através da demissão de centenas de funcionários e aumentar em 160% o preço das refeições no Restaurante Universitário. Segundo Denise, essas medidas são necessárias para não fechar a Universidade em agosto.

O Tesouro repassou R$ 217 milhões para a UnB em 2016. Foram demitidos 350 funcionários em 2017 e ainda o valor do repasse caiu para R$ 137 milhões em 2018. E, agora mais 242 funcionários são ameaçados de desligamento.

Por conta disso, segunda-feira, dia 26, os trabalhadores da limpeza fizeram greve e se manifestaram. Maurício Rocha, do Sintfub (Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília) explicou que essa demissão significa 55% da categoria. O sindicato conta também que, desde o segundo semestre de 2016, mais de 1500 empregados foram demitidos da Universidade. Atualmente, as categorias de copeiros, motoristas e vigilantes também sofrem ameaça de desligamento.

Gabriel Araújo, estudante de Direito relata “todos os alertas eram para falta de recursos do MEC e uma possível greve da Universidade. Se a UnB começa a demitir as categorias de base, aumenta a possibilidade de chegar aos estudantes, de cortar verba de pesquisa, de extensão”. E também fala sobre a possibilidade do preço do Restaurante Universitário subir de R$ 2,50 para R$ 6,50: “passamos o dia inteiro aqui. Depois da instituição das cotas vivemos outra realidade na UnB. É caro para o aluno”.

A cada dia o público universitário recebe a notícia de mais uma universidade prestes a fechar as portas. Lembramos de casos da UERJ, mais recente UEL, Unicentro, cortes de centenas de bolsas na Unifesp e a lista infelizmente é longa. E, pelos próprios dados orçamentários, não resta dúvida que essa “crise” está diretamente ligada ao golpe de Estado iniciado oficialmente em 2016.

O Banco Mundial já lançou e confirmou a expectativa de no último semestre de privatizar o ensino no Brasil. Esse processo já tinha começado com a PEC 55, do congelamento de gastos por 20 anos. As universidades, desde então, foram abandonadas, assim como todo o serviço público, para fechar e reabrir através da iniciativa privada.

A privatização em todos os setores aumentará profundamente os gastos da população, assim como o caso da previdência, que torna a aposentadoria inviável para a maior parte dos brasileiros, serviço de saúde e educação também passarão pelo mesmo processo, e apenas uma parte dos brasileiros terão acesso a esses serviços, que tendem a ser bastante caros.

Os estudantes de todas as universidades precisam organizar greves e ocupações, juntamente com os funcionários, para mirar na derrubada do golpe, que é a raiz que afeta a todos. A situação da UnB mostra que é urgente formar comitês estudantis de luta contra o golpe.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas