Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
2048x2730-pele-world-cup-special-43-jpg-1b269dc6
|

Com a chegada da Copa do Mundo de Futebol, reacende o debate entre a esquerda sobre o caráter desse esporte, o mais popular do mundo. Tornou-se comum nos pequenos círculos da esquerda pequeno-burguesa a ideia de que o futebol seria alienante, uma espécie de “ópio do povo” ou parte da “política de pão e circo” promovida pela burguesia.

Essa ideia parte de uma concepção errada sobre o caráter não só deste esporte mas da cultura em geral, particularmente a cultura de massas. Por exemplo, é comum vermos a mesma ideia sobre o carnaval, que seria uma festa oferecida pela burguesia para alienar o povo por quatro dias, enquanto o escraviza o resto do ano.

Essa concepção ignora em primeiro lugar as contradições inerentes a todos os fenômenos sociais, políticos e culturais; em segundo lugar, ignora a própria origem dessas manifestações culturais.

Sobre o carnaval, deixemos para um segundo momento, mas apenas vale frisar que as comemorações carnavalescas no Brasil foram uma conquista das massas. O povo pobre e negro precisou enfrentar muita repressão da burguesia para garantir o direito de sair na rua, com sua própria cultura, suas próprias músicas e fantasias, para se manifestar. A burguesia, uma vez derrotada, foi obrigada a mudar de tática, passou da repressão pura e simples para obter um certo controle do carnaval. O carnaval foi produto de uma luta, cujo resultado foi o que conhecemos hoje. A repressão nunca deixou de acompanhar o carnaval, e a burguesia, ao menor sinal de fraqueza do povo, procura estrangular o quanto pode essa manifestação popular. A ofensiva da direita golpista atualmente tem aumentado os casos de repressão e censura no carnaval.

Com o futebol acontece um movimento muito parecido. Vindo da Inglaterra para o Brasil, o esporte passou a ser praticado nos clubes da burguesia. O povo pobre, em particular os negros, foram colocados à margem desse circuito “oficial”, mas adotaram o esporte nas ruas, inclusive organizando ligas alternativas.

Com a gradual popularização do futebol, os clubes “oficiais” foram obrigados a aceitar os jogadores negros. A disseminação do esporte começou a produzir jogadores habilidosos que os círculos restritos da burguesia já não davam conta.

O futebol então torna-se um fenômeno de massas. Naturalmente que, ao se tornar tão popular, passa a ser um esporte majoritariamente da classe operária, pobre e negra do País.

Há ainda outro fator importante no caso brasileiro que é essencial para compreender por que o futebol se tornou o que é no Brasil. Os negros, para serem aceitos nos clubes da elite das grandes cidades, precisavam apresentar um estilo de jogo superior. Eram obrigados a se destacar muito mais do que os brancos da burguesia que se apresentavam nos clubes tradicionais. Dessa maneira, a população negra e oriunda da classe operária acabou desenvolvendo um estilo de jogo inovador, que exigia inteligência e malícia em campo.

Pode-se dizer então que o que se conhece hoje como futebol brasileiro é produto de uma equação que envolve a massificação do esporte e o desenvolvimento de uma técnica nova por parte dos jogadores. É uma das máximas da dialética vista bem concretamente: a quantidade se transformando em qualidade. Foi esse fenômeno também o que permitiu que o Brasil produzisse um jogador da envergadura de Pelé.

É isso que tornou o futebol brasileiro conhecido em todo o mundo como “futebol arte”. Portanto, não se trata aqui de uma invenção e falsificação ufanista da burguesia brasileira com o mero intuito de “alienar” o povo com um falso sentimento nacionalista.

O chamado futebol arte, que é uma invenção do brasileiro, é uma conquista da classe operária e especificamente dos negros brasileiros, ou seja, um fenômeno cultural genuíno do povo brasileiro. Da mesma forma como fez com o carnaval, uma vez tendo perdido a batalha, a burguesia tratou de controlar o futebol de acordo com seus interesses, ou seja, passou a conviver com esse fenômeno de massas que nasceu contra ela.

Claro que esse movimento histórico desde a introdução do futebol no País até sua transformação em fenômeno de massas passou por várias fases, idas e vindas e muitos fatos contraditórios, como é comum. O objetivo desse artigo, no entanto, é traçar em linhas gerais como se desenvolveu o chamado futebol brasileiro.

É possível dizer inclusive que o brasileiro fez no futebol aquilo que os modernistas brasileiros defendiam na arte. O brasileiro recebeu o futebol europeu e o transformou, criando novas formas de jogar, absorvendo os fundamentos do esporte europeu, mas criando um estilo novo, original de jogo. É a antropofagia muito bem definida por Oswald de Andrade e outros modernistas que criaram uma literatura nacional/universal a partir dos movimentos vanguardistas europeus.

Em outros artigos, iremos desenvolver outros aspectos da cultura e do futebol brasileiro. Mas por hora, fica claro que a esquerda proletária e revolucionária deve ter como princípio a defesa do futebol como um patrimônio do povo brasileiro, um povo oprimido que soube se impor e desenvolver até o máximo o futebol, a ponto de se tornar o maior do mundo no esporte mais popular do mundo. Isto se deve à classe operária e aos negros brasileiros.

A burguesia, como classe dominante, foi obrigada a conviver com isso. Procura, portanto, tirar seu lucro e se aproveitar da cultura nacional para seus próprios interesses. Mas essa contradição, que existe em todos os fenômenos culturais no capitalismo, não significa que o futebol pertence à burguesia. Pelo contrário, a burguesia procura a todo momento estrangular as manifestações espontâneas de massas nos estádios e na própria Copa do Mundo. O imperialismo, a burguesia mais poderosa do mundo, precisa convencer sua colônia de que a cultura dela é inferior, ou seja, de que o futebol brasileiro não é o melhor do mundo e que não deveríamos ter orgulho da Seleção Brasileira que, mesmo sendo de um País oprimido e pobre como o Brasil, consegue vencer todas as potências imperialistas jogando em uma competição controlada por essas potências.

Um povo que é privado de sua cultura mais autêntica é um povo mais facilmente dominado. Por isso, a esquerda deve defender o futebol brasileiro e travar uma luta política para que ele seja realmente controlado pelo povo. A ideia de que o futebol é alienante ou o “ópio do povo”, portanto, é o lado da classe média “esquerdista” da mesma política de desmoralização da cultura do povo brasileiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas