O futebol envolve interesses políticos e interesses econômicos de bilhões de dólares

Rio 2016Brasil 2 x 0 ColombiaFoto: Daniel Kfouri

No futebol se expressa, não só no Brasil, mas também nos outros países, de uma forma especifica a luta dos países oprimidos contra os opressores, dos trabalhadores contra a burguesia. Em geral, a classe média e a burguesia veem o futebol com desprezo, um esporte que é coisa de gente inferior, ignorante, da classe operária.

No entanto, quando se inicia a Copa do Mundo a coisa muda de figura, as seleções dos países imperialistas se tornam um fator de maior importância, representam o esforço da burguesia em unificar os trabalhadores dos seus países detrás do nacionalismo, e também os interesses econômicos. Não é a toa que o futebol europeu, unificadamente, conspira contra o futebol brasileiro.

Mesmo que existam setores que digam que não existe conspiração e que no mundo tudo é feito a luz do dia, por exemplo, que acreditam que quando o governo norte-americano grampeou o telefone particular da presidenta eleita Dilma Rousseff (PT), não foi para conspirar contra seu governo. Mas, também, por que contra o futebol brasileiro? Muito simples, desde o momento em que os brasileiros ingressaram no seu período de maturidade do futebol eles ameaçam o predomínio do futebol europeu, ameaçam se tornar a única verdadeira potência futebolista internacional.

Somente no terreno esportivo isso já despertaria a maior rivalidade, mas ainda é necessário considerar que no futebol existem interesses políticos, a utilização dos europeus do nacionalismo imperialista no futebol é muito grande, por exemplo. Mas ainda existem também os interesses econômicos de bilhões de dólares, não é pouca coisa. Basta observar que clubes de países imperialistas, como o Real Madrid na Espanha, investem somas inacreditáveis em jogadores de futebol esperando o retorno financeiro ainda maior, não por amor ao esporte.

Na Itália, por exemplo, empresários afirmaram que ficar de fora da Copa fizeram-os perder muito dinheiro. Trata-se de um problema de mercado. São bilhões de dólares em vendas de material esportivo. A final da Copa, por exemplo, é o maior espetáculo televisivo da terra, com mais de um bilhão de telespectadores.

Nesse sentido, os interesses políticos e econômico estão todos contra o Brasil e a seleção canarinho é a principal ameaça a esse clube, esse condomínio, que domina o futebol mundial, isso é uma coisa óbvia. Por esse motivo também que o Brasil se transforma em um símbolo de todos aqueles que se opõe a esse condomínio. E como esse condomínio não existe apenas no futebol, mas se estende a todos os ramos da vida social, o condomínio dos poderosos, o futebol acaba expressando a oposição política de todos os explorados contra os poderosos.

Daí que embora muita gente diga contra e não queira admitir, o Brasil é sistematicamente sabotado em todas as Copas do Mundo.