Europeus não! Nós resolvemos
Rogério Ceni vai dando ao Flamengo o mesmo futebol objetivo que passou ao Fortaleza, em suas duas temporadas no clube cearense, mas agora com um plantel de estrelas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
R Ceni (1)
Rogério Ceni vai dando ao Flamengo a mesma alegria nas pernas que passou ao Fortaleza | colunadofla.com

Após a dispensa do espanhol Domènec Torrent, que ficou à frente do Flamengo de 31 de Julho até 8 de Novembro de 2020, tendo 26 jogos, 15 vitórias, 5 empates e 6 derrotas, marcando 46 gols e sofrendo 38, atingindo o desempenho de 57,69% dos pontos disputados, o Flamengo trouxe para o comando técnico da equipe vice-campeã mundial, o ex-ídolo são-paulino e ex-treinador do Fortaleza em duas oportunidades, Rogério Ceni.

A dispensa do antecessor de Ceni se deu essencialmente por conta do fraquíssimo futebol apresentado pelo Flamengo ao longo dos quase 100 dias em que o espanhol esteve à frente do time da gávea e pelas derrotas acachapantes que o Flamengo sofreu frente a grandes rivais como Atlético MG e São Paulo. Além disso, o Rubro-Negro também já havia sofrido muitos gols nas partidas contra Atlético Goianiense – 3 a 0 -, Independiente del Valle – 5 a 0 – e São Paulo – 4 a 1.

Com a chegada de Rogério Ceni há pouco mais de um mês, o Flamengo ainda sofreu a desclassificação da Copa do Brasil justamente para o São Paulo FC, líder do Brasileirão e agora semifinalista da Copa do Brasil. Foram os dois primeiros jogos de Ceni dirigindo o Flamengo e, com apenas alguns poucos dias de treinamento, os resultados não foram favoráveis ao time carioca:

Flamengo 1 x 2 São Paulo 11/11 (Copa do Brasil)

São Paulo 3 x 0 Flamengo  18/11 (Copa do Brasil);

Após esse início, em que Rogério começava a acertar o time, a equipe carioca começou a apresentar um futebol mais parecido com o que a levou à final do mundial de 2019. Vieram na sequência os seguintes resultados:

Flamengo 1 x 1 Atlético GO 14/11 (Campeonato Brasileiro)

Flamengo 3 x 1 Coritiba 21/11 (Campeonato Brasileiro)

Botafogo 0 x 1 Flamengo 05/12 (Campeonato Brasileiro)

Flamengo 4 x 1 Santos 12/12 (Campeonato Brasileiro).

Foram 3 vitórias e um empate, 9 gols a favor e apenas 2 contra, apesar da defesa remendada.

Cabe lembrar que o bom desempenho de Ceni não ocorreu sem problemas. Pelo contrário, nos quatro jogos pelo Brasileiro desde sua chegada ao Flamengo, Rogério  não conseguiu repetir a dupla de zaga, por problemas de lesões e infecções causadas pela Covid-19. Na primeira partida contra o Atlético-GO, Gustavo Henrique jogou ao lado de Léo Pereira. Contra o Coritiba, o camisa 2, suspenso, deu lugar a Thuler. No clássico com o Botafogo, o zagueiro de 1,95 de altura voltou, mas dessa vez junto de Rodrigo Caio. O confronto diante do Santos contou com Natan.

Após a goleada contra o Santos no último fim de semana, o Flamengo se prepara para enfrentar o Bahia, neste domingo (20), em jogo válido pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro

A chegada de Rogério e a retomada do belo futebol do Flamengo, que teve poucas alterações em relação ao plantel de Jorge Jesus, o português queridinho da imprensa capitalista nacional, mostram que o problema do futebol brasileiro não está nos treinadores locais e que, portanto, a solução não é trazer para o país representantes técnicos de países europeus, países esses que não têm cinco títulos de campeão mundial como a seleção canarinho.

Outros importantes técnicos brasileiros, como Fernando Diniz, do São Paulo FC, estão mostrando que a falácia capitalista dos treinadores “bem formados” – quase sempre os europeus – é pura campanha a favor da desmoralização do futebol nacional para que empresas capitalistas estrangeiras deitem e rolem sobre a qualidade de nossos jogadores, ganhando rios de dinheiro e, ao primeiro sinal de crise, deixam esses clubes e o futebol nacional com uma mão na frente e outra atrás.

O exemplo do São Paulo de Diniz e do Flamengo de Ceni, com a juventude brasileira em campo, demonstram isso. Na contramão dos interesses capitalistas, defensores do futebol moderno, que apregoam aos quatro cantos que os conhecedores do futebol são os técnicos estrangeiros e seus métodos, a solução para futebol brasileiro, mesmo com todo o ataque econômico e a saída precoce de jogadores do país, é o próprio Brasil, que continua produzindo craques, excelentes treinadores e grandes times.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas