Destruir a Petrobras é a meta
Desde o golpe de 2016 a principal meta é privatizar tudo, a Petrobras é a venda prioritária, com ela vai o petróleo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
petrobras
A Petrobras é a mais importante empresa estatal brasileira. | Foto: Reprodução

Foi iniciada nova fase da destruição da Petrobras. A atual direção da estatal anunciou que pretende reduzir em 22% o quadro de empregados. No ano passado foram adotados três Programas de Demissão Voluntária (PDV), um destinado a aposentados pelo INSS até a data da promulgação da PEC 133/19, um específico para empregados em unidades e empresas que estavam sendo fechadas ou vendidas e outro para empregados no segmento corporativo da empresa. Foram atingidos 10.082 trabalhadores que serão dispensados até ano que vem ou o próximo (Seudinheiro, 3/7/2020).

Considerada a “joia da coroa” das estatais, a privatização da Petrobras tem sido o troféu mais cobiçado pelo capital internacional há muito tempo. Com o descobrimento do pré-sal durante o primeiro mandato do presidente Lula, o Brasil saltou em importância no mundo. O país passou de um volume estimado de reservas de pouco mais de 12 bilhões de barris para mais de 50 bilhões. As áreas de Tupi e Iara, na bacia de Santos, e o Parque das Baleias, na bacia de campos, possuem mais petróleo que o total estimado antes da descoberta do pré-sal, sendo que o volume total ainda não foi completamente estimado.

“As primeiras descobertas davam uma dimensão de cerca de 50 bilhões de barris. Em 2015, a UERJ fez um estudo, segundo eles, o pré-sal poderia ter de 176 bilhões a 270 bilhões de barris de petróleo. Não tem ainda o tamanho exato. O petróleo do pré-sal é de melhor qualidade. Isso significa que nossas refinarias tem capacidade de produzir um derivado melhor. Além disso, tem um custo de exploração menor do que a gente já tinha no Brasil”, afirmou Cloviomar Caranine, analista da Federação Única dos Petroleiros – FUP, quando o Brasil estava completando 10 anos do início da prospecção do petróleo dessa camada (Brasil de Fato, 11/9/2018).

O Brasil subiu em importância no mundo e saltou para um dos primeiros lugares na cobiça norte-americana. Os EUA têm o costume de tomar as riquezas dos outros países à força, como fizeram nos últimos anos com o Afeganistão, Iemen, Iraque, Líbia, isso sem falar em um outro tanto de guerras provocadas e incentivadas pelos norte-americanos e que tiveram a participação direta de suas tropas e de exércitos de mercenários de empresas privadas contratadas pelo Departamento de Defesa dos EUA, a modalidade que inventaram ou que passaram a usar mais frequentemente desde o Afeganistão.

Na América do Sul os norte-americanos têm desenvolvido, pelo menos nos últimos dez anos, duas formas de guerra de dominação política e econômica, uma com a Venezuela, que se iniciou primeiro e dada a resistência do presidente Hugo Chaves, os norte-americanos têm tentado vários modos de pressão abertos quase chegando ao conflito armado. No caso brasileiro, iniciaram um novo modo de pressão formando um conjunto de táticas que passou a ser chamado de Guerra Híbrida, adotado nos aprendizados norte-americanos depois da destruição do Iraque.

Com o vazamento das espionagens norte-americanas no que passou a ser chamado de escândalo dos WikiLeaks, quando um ex-agente de informações passou a publicar o inteiro teor de documentos secretos do governo dos EUA, soube-se que o Brasil estava no topo das investidas norte americanas para destruir os principais projetos e os mais importantes empreendimentos nacionais. O Brasil estava em fase avançada da criação de tecnologia para construção do submarino nuclear, com a tecnologia de ponta da Petrobras, descobriu o pré-sal e tinha como retirar o petróleo dessa camada profunda, e, além disso, algumas empresas privadas, como a construtora Odebrecht, estavam conquistando mercados internacionais e poderiam abalar o supremacia norte-americana em áreas sensíveis. E mais ainda, como formação do bloco dos BRICS ao Brasil passava a ter um meio real de sair da área de influência política e militar dos EUA. Tudo isso constituía um cenário impensável para os EUA e eles não iriam admitir tal independência.

Tudo foi feito, desde espionagem direta, grampo no Palácio do Planalto, compra de agentes públicos e subornos. O que acabou dando certo foi a cooptação do Ministério Público e do Judiciário. Isso não aconteceu rápido, foram necessários vários ensaios, treinamento de funcionários brasileiros em instituições norte-americanas e algumas migalhas de dólares na forma de subornos. História que ainda há de ser escrita em pormenores e cujo resultado já sabemos.

Nesse enredo, a Petrobras aparece com um capítulo especial, que ainda não se concluiu. Transformada em a maior empresa estatal brasileira em décadas de intenso trabalho de prospecção e processamento de petróleo, a Petrobras formou técnicos e especialistas que estão entre os melhores do mundo, especialmente na produção em águas profundas. As crises do petróleo nos últimos anos ajudaram muito, especialmente o incentivo norte-americano ao desenvolvimento do faturamento hidráulico usado para extração de combustíveis líquidos e gasosos do subsolo nos EUA. Mesmo com as consequências danosas ao meio ambiente, o governo norte-americano acabou incentivando empresas daquele país a adotarem este método e ele acabou sendo o principal meio de produção de petróleo em solo norte-americano na última década, o que fez cair o preço do petróleo no mundo e foi uma das causas de crises em países como a Venezuela e também o Brasil.

Com o petróleo em valores de comércio muito baixos, a produção brasileira entra em crise e a Petrobras se fragiliza, facilitando por demais o trabalho do Ministério Público, já aliado do governo norte-americano (Departamento de Estado, Departamento de Comércio, FBI)

Com o golpe de 2016, inicia-se a política de privatização da Petrobras. Primeiro com o que chamaram programa de desinvestimento (sucateamento e venda de subsidiárias), que tem reduzido a produção e o processamento, fazendo o país se tornar um grande comprador de combustíveis já processados. Começou com a Liquigás, após o Supremo Tribunal Federal autorizar estatais a venderem suas subsidiárias sem precisar de autorização do Congresso Nacional. O STF, em uma canetada só, deu aval para o governo golpista vender 88 empresas consideradas subsidiárias. Só a Petrobras tinha 36 subsidiárias, como a Transpetro e a BR Distribuidora (G1, 6/6/2019). Com o aval do STF o governo iniciou o processo de venda, ente outras, da Refinaria Landulpho Alves (Bahia), a segunda maior do país em capacidade instalada, logo depois da Refinaria de Paulínia (Replan)

Os programas de demissão voluntária são parte desse processo de liquidação da empresa e acabarão colocando fora do mercado um dos patrimônios do país que é a capacidade técnica e gerencial da Petrobras, além de ferir fundo o movimento dos trabalhadores, diminuindo a capacidade de mobilização da Federação Única dos Petroleiros e várias entidades a ela ligadas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas