Paralisação dos Petroleiros
Como aponta a Fiocruz: “a taxa de contaminação da Petrobras seria também 3,16 vezes maior do que registrada no estado do Rio de Janeiro e 2,29 vezes maior do que a de São Paulo”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
petrobras-o-globo
Petrobras | O globo

Com o início da pandemia, alguns setores não tiveram nenhum dia de quarentena, um exemplo são os petroleiros. Desde o início do contágio, os trabalhadores batem os recordes de contaminação em relação a outras categorias.

Um pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no início de outubro, o estudo aponta que os números de trabalhadores contaminados da Petrobras é o dobro ao número de contaminados em relação à população brasileira.

Comparando o número de infectados da empresa e da população proporcionalmente o número da primeira é bem superior. O estudo revelou que o número de infectados da Petrobras é de 4.448,9 casos a cada 100 mil pessoas, o que corresponde ao dobro da média brasileira, que está em 2.067,9 casos por 100 mil habitantes.

Como aponta a Fiocruz: “a taxa de contaminação da Petrobras seria também 3,16 vezes maior do que registrada no estado do Rio de Janeiro e 2,29 vezes maior do que a de São Paulo”.

A empresa alega que o número é superior, pois a uma realização massiva de teste, um absurdo, pois não é o número de teste, mas sim as condições insalubres que os trabalhadores estão submetidos nas plataformas, sem equipamentos de segurança individual, sem o distanciamento recomendado.

Durante a pandemia observa-se o descaso dos patrões com seus empregados, a fundação Fiocruz é categórica, a contaminação é consequência do trabalho, porém a Petrobras não incluiu a COVID-19 como acidente de trabalho, nem a infecção e nem os óbitos.

“O reconhecimento da covid – 19 como doença do trabalho e a emissão da CAT implica elevar a Taxa de Acidentes Registráveis ​​(TAR), um dos indicadores de desempenho das empresas do setor vinculado a dinâmica da concorrência internacional ”, ressalta o parecer da Fiocruz.

A FUP destaca que a empresa esconde os dados, pois não tomou as medidas de contenção do vírus e nem pretende fazer: “Desde a decretação da pandemia, em março, estamos cobrando da gestão da Petrobras medidas efetivas para evitar a contaminação em suas instalações e também que emita CATs de pessoas infectadas, mas quase nada mudou de lá para cá”, afirma o coordenador geral da FUP, Deyvid Bacelar.

Diante dessa situação é preciso que os sindicatos reabram suas portas e debatam uma greve nacional dos petroleiros para evitar a morte de mais de um centena de trabalhadores. Somente a mobilização vai obrigar os patrões a mudar sua conduta frente a situação.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas