Crise econômica
O governo golpista Bolsonaro, com um pouco mais de 600 dias de existência, enfrenta uma crise econômica e política gigantesca
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
como-a-queda-da-bolsa-de-valores-afeta-o-brasil-696x392 (1)
Bolsa de valores | Foto: Reprodução

Os banqueiros imperialistas estão numa campanha sistemática com o objetivo de pressionar o governo golpista de Bolsonaro para aumentar, ainda mais, os ataques aos trabalhadores e a população em geral.

Para a multinacional do grupo financeiro Goldman Sachs, as “incertezas com situação fiscal mina crescimento do país” (site UOL 26/10/2020)

Para os especuladores financeiros o “governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) precisa começar a pagar as promessas de reformas que fez para resolver a inquietação em torno da solvência fiscal do Brasil, que mina as perspectivas de crescimento, na avaliação do economista-chefe do Goldman Sachs para América Latina, Alberto Ramos” (idem)

Em todo o planeta o sistema capitalista enfrenta uma crise descomunal. Esta não atinge apenas os países atrasados (submetidos a uma contínua miséria e opressão pelas grandes potências imperialistas), mas, desta feita, encontram-se instalada também nos principais países capitalistas. A pandemia do novo coronavírus, que teve o seu começo em março deste anos, apenas fez acentuar a crise que vem se aprofundando desde a década de 1970, principalmente nos anos de 1973/1974, com o fim do regime Bretton Woods, crise do petróleo, passando pela falências dos mercados financeiros no mundo globalizado de 2008, que provocou a destruição dos ativos financeiros.

O governo Bolsonaro, nascido de um amplo acordo entre os diversos setores do grande capital nacional e internacional através de um golpe de Estado, vive, após um pouco mais de 600 dias de existência, uma crise gigantesca. Nesse sentido os banqueiros procuram enfrentar a crise de produtividade e rendimento do capitalismo através de uma política que aprofunde a captura dos recursos públicos e o aumento da exploração sobre os trabalhadores com o fim dos direitos trabalhistas, terceirização, teto dos gastos e capitalização com a liquidação dos ativos públicos através das privatizações.

Para pagar a dívida interna e externa aos banqueiros e especuladores financeiros nacionais e internacionais, o governo aprofunda os corte nos gastos públicos com serviços essenciais para a população.

Apenas neste ano, em plena pandemia do coronavírus, o governo concedeu aos banqueiros R$ 1,2 trilhão. Enquanto o governo faz a festa dos banqueiros distribuindo dinheiro de impostos aos bancos, são distribuídos a conta-gotas os recursos para combater a pandemia do coronavírus, que já ceifou a vida de mais de 155 mil pessoas, ao mesmo tempo em que e fome caminha para atingir mais de 40 milhões de brasileiros, com o fim do auxílio emergencial, como afirmou recentemente o ex-presidente da FAO/ONU.

A crise capitalista, em pleno desenvolvimento, vem escalando rapidamente. A retração econômica agrava todos os pontos sensíveis da economia brasileira: dívida pública, evasão de capitais, recessão, etc.

A política dos banqueiros de pressão ao governo para enfrentar a crise é clara: usar os poucos recursos econômicos disponíveis para se salvarem, ao mesmo tempo em que acentuam o ataque às já precárias condições de vida da população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas