Conversa para boi dormir
Corrente interna da legenda faz malabarismo para justificar sua política centrista
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
paes
Eduardo Paes (DEM) faz campanha para Marcelo Freixo (PSOL) | Foto: Reprodução/Facebook

Há uma semana, o PSOL decidiu oficializar a escolha de Guilherme Boulos e Luiza Erundina para concorrerem, respectivamente, ao cargo de prefeito e vice-prefeita da cidade de São Paulo. A notícia não causou surpresa; afinal, a imprensa capitalista já vinha, há bastante tempo, fazendo campanha em torno do nome de Boulos. Reverberando essa pressão da burguesia, o sítio Esquerda Online, mantido pelo grupo Resistência/PSOL, sob a orientação de Valério Arcary, publicou o artigo “Boulos e Erundina: um movimento de resistência em SP”, elogiando a decisão.

O texto apresenta um conjunto de aberrações políticas sobre as quais não teremos condições de nos debruçar no detalhe. Focaremos, no entanto, no parágrafo final, que diz:

“(…) é preciso valorizar os locais em que o PSOL manteve um corte de classe na definição do arco de alianças, como no caso do Rio de Janeiro. Justamente porque o programa que defendemos não pode ser aplicado por meio da conciliação com partidos da direita e burgueses. Daí não vem nossa força, mas nossa fraqueza, como demonstrado na experiência de governos petistas de conciliação de classes. Nossa fortaleza vem da mobilização e organização dos trabalhadores, das mulheres, negros e negras, LGBTs, sem-teto, sem-terra e da juventude”.

Debatamos primeiro a ideia de que seria preciso “valorizar os locais” em que o PSOL manteve um “corte de classe”. Isso equivaleria a dizer, portanto, que houve locais em que o PSOL não manteve esse corte? Sim, basta acompanhar minimamente a política nacional para colher exemplos em que o PSOL usou e abusou da conciliação de classes: eleição de Edison Silva, em Pernambuco, com o apoio do PMN, eleição de Randolfe Rodrigues, no Amapá, com apoio do PTB, PSDC, PRTB e PTC contra o PT, eleição de Clécio Luis, também no Amapá, com o apoio do PPS, do PV, do PTC e do PRTB etc. O que chama a atenção, no entanto, é o reconhecimento pelo próprio PSOL de ter praticado essa política, uma vez que o partido frequentemente acusa o PT de ser um partido de colaboração de classes. Nesse sentido, fica claro que essas acusações contra o PT não têm um valor real por parte do PSOL, mas sim um valor puramente demagógico, eleitoral, uma vez que o partido não leva minimamente a sério o problema da independência de classe.

Suponhamos, para benefício do argumento, que essas alianças sejam “águas passadas”. O artigo do Resistência/PSOL poderia, então, ser considerado uma autocrítica? Ingressaria o partido agora em uma etapa de ruptura completa com a conciliação de classes? Tudo indica que não.

Ora, o texto cita o Rio de Janeiro como um lugar em que o PSOL manteve um “corte de classe”. Nada poderia ser mais distante da realidade. Em 2016, o candidato a prefeito do Rio de Janeiro pelo PSOL, Marcelo Freixo, obteve apoio de toda a imprensa capitalista — Veja, Folha de S.Paulo e Globo. Como se isso não bastasse, figuras tradicionais da direita, como Eduardo Paes (hoje no DEM), apoiaram a sua candidatura. Agora, às vésperas das eleições de 2020, Freixo retribuiu o apoio recebido e abriu mão de sua candidatura em favor de Eduardo Paes.

O caso do próprio Boulos também explicita a colaboração com o regime político golpista. Boulos participou de todos os eventos e de todos os manifestos em que a burguesia procurou promover a “frente ampla” — uma aliança entre a direita e setores da esquerda nacional. Exemplos disso são o evento virtual dos “Direitos já”, com a presença de Fernando Henrique Cardoso, e o manifesto “Estamos juntos”, com a assinatura de Miguel Reale Jr., autor do pedido de impeachment contra Dilma Rousseff.

A política do PSOL não tem nada a ver com os interesses da classe operária. Para falar em “corte de classe”, seria preciso, em primeiro lugar, defender os interesses dessa classe. E disso aí, ao subir no palanque ao lado de bandidos políticos como Eduardo Paes, o PSOL está bem longe.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas