2020
As eleições de 2020 levaram a resultados desastrosos para os que acreditavam no seu poder de modificar a situação
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
boulos
Guilherme Boulos, candidato em São Paulo, foi dos que mais alimentou a ilusão no poder das eleições | Foto: Reprodução
boulos
Guilherme Boulos, candidato em São Paulo, foi dos que mais alimentou a ilusão no poder das eleições | Foto: Reprodução

A esquerda pequeno-burguesa, como Psol, amplos setores do PT, PCdoB, entre outros, fez propaganda da ideia fantasiosa de que as eleições municipais seriam um passo importante para derrotar o bolsonarismo. O que, evidentemente, não passa de ilusão.

Mas essa esquerda de fato acredita que é possível fazer mudanças muito importantes através das eleições. Logicamente ignoram que o Estado é de classe. Que é uma máquina política controlada pela classe dominante. Seja nos municípios, nos estados, nacionalmente, nas assembleias, Câmaras de vereadores ou no Congresso Nacional. 

A situação é ainda pior em se tratando de eleições que ocorreram no marco de uma legislação e situação política totalmente controladas pela direita, pós golpe de Estado.

Uma eleição relâmpago, com uma campanha restrita praticamente à imprensa capitalista, já que a campanha de rua era praticamente inexistente e o horário eleitoral gratuito foi reduzido a um tempo tão curto que virou quase uma formalidade. 

Em tais circunstâncias, inclusive no marco do golpe de Estado de 2016, com Jair Bolsonaro no governo, era evidente que a esquerda não teria bons resultados. A esquerda, no entanto, não enfrentou a realidade. Em lugar de ser realista e apresentar claramente que não teriam votos, denunciando o golpe e o caráter antidemocrático das eleições, semearam a ideia de que era possível vencer a direita no seu terreno e o que acabou acontecendo foi um retrocesso eleitoral, não um progresso.

A eleição produziu o de sempre: o bloco de partidos dominantes, os que vieram da ditadura, saídos da Arena e MDB, controla mais da metade das prefeituras do país e manteve esse controle, enquanto os partidos que tendem à extrema direita tiveram sua votação dobrada. 

Mas a maior derrota foi o retrocesso na consciência da população causada pela política da busca desesperada pelo voto.

Em primeiro lugar,  a esquerda não polarizou nada. O número de abstenções mostra que a eleição foi fria. Nesse sentido, fica claro que a política do Psol não mobiliza nada. É uma política burguesa, sem impacto na situação. Eles simplesmente jogaram o jogo da burguesia.

Em segundo, a esquerda se desfigurou completamente na ilusão de que imitando a direita obteriam mais votos. E o voto seria mais importante do que essa consciência. O que é falso.

Começaram abandonando o vermelho, depois abandonaram as reivindicações tradicionais da esquerda e até o “fora Bolsonaro”. 

Boulos em São Paulo falou em contratar mais guardas municipais, reuniu-se com empresários e até mesmo recebeu apoio de alguns especuladores.

Em terceiro lugar, a política da esquerda foi na maioria dos lugares, a de levar a população a apoiar a direita tradicional, do bloco dominante, uma política para levar a população a ficar a reboque da burguesia.

Esse esquema eleitoral não é de combate, de luta, de mobilização popular. A tática eleitoral desses partidos é ganhar lugar ao sol para indivíduos pequeno burgueses que depois farão o papel de salvadores da pátria.

Não há intuito de organizar o povo, enfrentar instituições e combater os poderosos. É um esquema que visa apenas ganhar eleições e garantir a ambição de alguns carreiristas pequeno-burgueses.

Desse modo, as eleições destroem partidos de esquerda como partidos de luta. O partido de esquerda vai sendo dominado pelos elementos mais carreiristas, que querem se eleger, que querem cargos, e vai abandonando qualquer perspectiva de organizar e mobilizar a população.

Em oposição a isso, é preciso ter claro que as eleições são, como o sabem todos os marxistas, apenas a mudança daqueles que vão administrar os negócios da burguesia. Nenhuma mudança essencial pode vir das eleições e é preciso levar essa consciência para a população, de que somente sua mobilização e a tomada do poder em suas próprias mãos é capaz de mudar de fato a situação. Alimentar ilusões nas eleições é conduzir os trabalhadores a ficarem a reboque da burguesia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas