Eleições na Câmara
O líder do “bloco dos onze” tem o costume sádico de se comover enquanto os trabalhadores vão sendo chicoteados
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Brasilia  DF 10 07 2019 Rodrigo Maia presidente do Camara dos deputados chora ao término da votação  da reforma da Previdência foto Lula Marques
Rodrigo Maia | Foto: Lula Marques

Há alguns anos, a imprensa capitalista, com todo o seu cinismo, mostrou-se escandalizada com o fato de que Tiririca teria obtido mais de um milhão de votos para deputado federal. Ora, mas como seria possível um palhaço — literalmente —ter sido eleito para uma casa tão respeitada como a Câmara Federal? A “casa do povo”, onde são elaboradas as leis do País, não poderia ter, entre seus representantes, alguém que admitia não saber a função de um deputado federal e que tivesse como lema “pior que está não fica”. Será mesmo?

É óbvio que não. A Câmara dos Deputados é um verdadeiro circo. De horrores, sim. Mas também de ridículo. Seus representantes são os elementos mais desqualificados da sociedade — representam, finalmente, o esgoto cultural e humano de toda a sociedade capitalista. Ser deputado no atual no regime não é transformar os interesses do povo em lei — caso contrário, não haveria reforma da Previdência, reforma trabalhista ou PEC dos Gastos. O parlamentar burguês é aquele que, obrigatoriamente, irá fazer de sua carreira a defesa do que há de pior para o povo, por mais impopular que isso seja. É condição sine qua non para integrar o regime político.

E que tipo de pessoa iria dedicar sua carreira a ser um capacho da burguesia? Só poderia ser um indivíduo rebaixado, sem qualquer caráter, facilmente corruptível. Em uma só palavra: nojento. Aquele que acha que a vida dos trabalhadores, bem como seus direitos, sua cultura e suas riquezas são alienáveis, é um homem de preço. E quem se vende por muito, vende-se também por pouco. Basta um pouquinho de pressão.

Um palhaço de circo na Câmara não deveria escandalizar a sociedade. Tiririca apenas expôs a bizarrice da burguesia de maneira mais clara. Mas há muito mais escândalos que a imprensa burguesa ignora todo dia…

O presidente da Câmara dos Deputados, portanto, não é “o mais nobre dos nobres”. É apenas o rei do esgoto. O comandante de todo o teatro podre da burguesia, que veio do próprio esgoto, é conivente com todas as práticas do esgoto e fede ainda mais que todos os demais juntos, pois conta com o apoio de todos os ratos para manter a casa eternamente imunda.

Nos últimos anos, Rodrigo Maia (DEM-RJ) conseguiu ocupar o cargo de rei do esgoto. Mesmo sendo vedada a reeleição, Maia conseguiu ficar por três mandatos. E provavelmente seria eleito para o quarto, se os conflitos no interior da direita nacional não tivessem levado o Supremo Tribunal Federal (STF) a inviabilizar sua candidatura. Uma espécie de Nhonho, que se nega a dividir sua comida.

Durante quatro anos, Maia foi um dos principais articuladores de todos os ataques do regime político contra a classe trabalhadora. Ataques desde o ponto de vista dos direitos puramente trabalhistas, como no caso da reforma trabalhista, passando por ataques contra os direitos democráticos, como a lei da criminalização das “fake news”, e por ataques contra o patrimônio nacional, como a privatização da água, até mesmo ataques contra as condições de vida mais elementares da população, como o descaso total diante da pandemia.

Junto com sua gula nos ataques ao povo, Maia também se destacou por seu comportamento bizarro. Por mais que use terno e gravata, que fale “vossa excelência”, o atual presidente da Câmara é uma besta fera. E um dos aspectos que comprovam isso é o seu costume sádico de chorar de emoção quando disfere seus ataques.

Quando aprovada a reforma da Previdência, o poeta e cordelista Alan Salles escreveu:

“Vi chorar Rodrigo Maia
O que não causou surpresa
Um arauto do atraso
Do burguês sempre em defesa
E por que não me apavora?
Crocodilo também chora
Destroçando sua presa”

Mas não foi somente na aprovação da reforma da Previdência — leia-se expropriação da aposentadoria dos trabalhadores — que Rodrigo Maia chorou. Em várias outras vezes, todas elas em momentos de desgraça para o povo, Maia chorou em público:

  • Em rápido discurso no aniversário de Onyx Lorenzoni (03/10/2019)
  • Após ser elogiado por Alexandre Frota (20/08/2019)
  • Nas três vezes em que se elegeu presidente da Câmara dos Deputados (13/07/2016, 02/02/2017, 01/02/2019)
  • No impeachment de Dilma Rousseff (17/04/2020)
  • Na votação do Fundeb (22/07/2020)

Na votação do Fundeb, a esquerda chegou a fazer propaganda de que isso seria uma pauta progressista. Uma “vitória da educação”, sendo que não havia qualquer mobilização de estudantes e professores naquele momento. Pelo contrário: toda a burocracia do movimento estudantil e do movimento sindical estavam escondidos debaixo da cama.

Mais recentemente, após votação ocorrida no dia 10 de dezembro, isso ficou ainda mais claro: o Fundeb será utilizado para os golpistas destruírem de vez a educação. Agora, cerca de R$4 bilhões que iriam ser utilizados para educação pública estão sendo destinados para salvar os cofres da Escola Privada.

As lágrimas de Maia, portanto, nunca erram: sempre anunciam vantagens para os capitalistas e catástrofe para o povo.

O próximo choro de Rodrigo Maia deverá acontecer no início de 2021, quando deverá eleger algum aliado para sucedê-lo na presidência da Câmara dos Deputados. Ensaiando o momento da vitória, seus aliados já chegaram até a escrever uma cartinha, assinada pelo “bloco dos onze” — isto é, os onze partidos que decidiram apoiar a candidatura de Maia nas próximas eleições da Câmara. Diz um trecho “emocionante” da carta:

“Enquanto uns cultivam o sonho torpe do autoritarismo, nós fazemos a vigília da liberdade. Enquanto uns se encontram nas trevas, nós celebramos a luz”.

Afirmar que Maia é “a luz” é uma cretinice sem tamanho. E é por isso que o papel da esquerda não pode ser o de apoiar, em medida alguma, a política de Rodrigo Maia. Colocar-se a reboque do DEM, do MDB e do PSDB é, finalmente, anular-se politicamente. O exato oposto do papel da esquerda, que deveria ser o de erguer um programa de reivindicações em defesa do povo trabalhador.

E defender os trabalhadores passa, obrigatoriamente, por dizer quem são os seus inimigos e mobilizar os trabalhadores para combatê-los. O papel da esquerda é, sim, trazer muitas lágrimas para Rodrigo Maia. Mas não por emocionar-se com as votações imundas no parlamento. Mas sim ao ver todo o império da burguesia desmoronando.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas