Ponte para o fascismo
Michel Temer foi a ponte para o fascismo. A esquerda não pode se aliar com golpistas!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Temer
Michel Temer em entrevista ao Estado de S. Paulo |

Bolsonaro é uma continuidade, ou melhor dizendo, um aprofundamento do golpe que vinha sendo articulado por setores imperialistas dos EUA em parceiria com a burguesia nacional, e culminou com a derrubada da presidenta Dilma Rousseff, após sua reeleição.

Quem reconhece esta continuidade é o próprio Michel Temer, vice de Dilma, que inicou o desmonte das pequenas políticas sociais petistas e reinaugurou um ataque ao país no típico estilo neoliberal. Foi sob o governo interino deste usurpador que se começaram a desarticular os programas como Minha Casa Minha Vida, Luz Para Todos, Bolsa Família, Ciências Sem Fronteiras, Mais Médicos e tantos outros. Foi o início do congelamento dos gastos públicos com saúde, educação, pesquisa, infraestrutura, sob a PEC do Corte de Gastos. Foi o acirramento das políticas repressivas contra a população pobre, com intervenções militares em alguns estados, convocações das Forças Armadas e das Forças de Segurança Nacional para reprimir manifestações, etc. Temer também acelerou o processo de desmonte das empresas públicas e de privatizações, e iniciou os ataques contra os direitos dos trabalhadores, que culminaram nas “reformas” trabalhista e da previdência.

Em entrevista ao jornal golpista O Estado de S. Paulo, Temer inicia avaliando positivamente o governo de Bolsonaro. “Vai indo bem porque está dando sequência ao que fiz,” diz o presidente mais impopular de todos os tempos sobre outro que segue por igual caminho. A diferença entre ambos seria uma mera questão de “estilo”, é a maneira eufemística usada pelo traíra para descrever um governo abertamente fascista. Em seguida, Temer assume ter votado em Bolsonaro.

Há setores da esquerda articulando frentes e coligações eleitorais com partidos golpistas como o MDB de Michel Temer. Parece ignorar ou – mais provavelmente – fazer vistas grossas ao fato de que este dito “centrão”, “democrático e civilizado”, sempre serviu e sempre servirá de ponte para o fascismo. Foi com a colaboração essencial do centrão fisiológico que deu-se o golpe no Partido dos Trabalhadores e permitiu-se a formação de um governo e congresso mais bolsonaristas do que nunca!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas