Colaboração com a burguesia
Jovem candidato foi à BBC tentar se justificar e acabou expondo sua política reacionária
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, reuniu-se, nesta sexta-feira (10/10), com Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central, no Rio de Janeiro.
 
Crédito: Marcos Fernandes/Coligação Muda Brasil
Armínio Fraga e Aécio Neves | Foto: Reprodução

Ao tentar se defender das acusações de que seria um candidato ligado aos banqueiros, Wesley Teixeira, do PSOL, revelou qual é a sua política em entrevista publicada pela BBC no dia 2 de outubro. Teixeira tornou-se conhecido em todo o País por ter recebido doações de Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central no governo Fernando Henrique Cardoso, João Moreira Salles (R$ 15 mil), membro do Conselho de Administração no Grupo Itaú Unibanco, e de Beatriz Bracher (R$ 30 mil), escritora e também herdeira do banco, para sua candidatura a vereador em Duque de Caxias.

Mesmo depois da repercussão extremamente negativa, Wesley Teixeira decidiu não devolver o dinheiro recebido. E foi mais além — defendeu abertamente a política de colaboração com os capitalistas:

“Esse é o momento de unir todos contra o fascismo. Existe escala de aliança, sim. Existem aqueles que são mais parecidos com o que eu penso, e existem alguns que são aliados próximos, e existem aqueles até que eu divirjo, mas que em momentos estratégicos são aliados contra (os que são) nossos adversários mais ainda”.

Ou seja, o pretexto para o candidato ter recebido financiamento dos banqueiros é a famigerada política de “frente ampla”. Wesley, no fim das contas, decidiu aceitar dinheiro de Armínio Fraga por considerá-lo um “aliado” na luta contra o fascismo. De fato, isso não contradiz com a política que o PSOL vem levando adiante. Guilherme Boulos, candidato do partido em São Paulo, e Juliano Medeiros, presidente da sigla, chegaram a assinar um manifesto supostamente contra o governo Bolsonaro junto a Armínio Fraga e Fernando Henrique Cardoso, entre outros notórios golpistas.

O financiamento de Wesley por parte de Armínio Fraga e outros banqueiros é, portanto, apenas um desdobramento da política geral do PSOL à nível nacional. Ao mesmo tempo em que o partido lança manifestos e sobe no palanque com a direita, seus candidatos são financiados pelos capitalistas. E para que um capitalista iria financiar uma candidatura? Obviamente, para utilizá-la para seus próprios interesses. Trata-se de um investimento para o capitalista, que age somente a partir do ponto de vista do bom andamento de seus negócios.

Não existe uma luta comum entre os capitalistas — nem mesmo os que se dizem “civilizados” e “democráticos”, como Armínio Fraga — e a esquerda. Os capitalistas e a direita de conjunto apoiaram o golpe e estão de acordo com o programa econômico do governo Bolsonaro. Isto é, o programa de esfolar a pele dos trabalhadores. A política da “frente ampla” é apenas uma operação da burguesia para se infiltrar nas candidaturas, movimentos e governos da esquerda para minar todo o seu potencial de mobilização. Um claro exemplo disso é a aliança entre Boulos e o PSDB em São Paulo, que quase levou à liquidação dos atos pelo Fora Bolsonaro.

Esse caráter reacionário da “frente ampla” fica ainda mais claro em outro trecho da entrevista. Disse Wesley:

“Nesse processo, nós não rebaixamos o nosso programa. A gente não negociou nada. Nós dissemos (aos doadores) exatamente o que nós acreditamos”.

Ora, se os trabalhadores têm interesses antagônicos aos dos capitalistas, por que os capitalistas iriam financiar uma candidatura que defendesse a classe operária? Isso não faria sentido algum. Somos forçados a concluir, portanto, que os bancos estão apoiando o candidato do PSOL em Duque de Caxias simplesmente por seu programa não tem nada de progressista. Se, de fato, o candidato não mudou em nada o seu programa, isso não é motivo de orgulho. Apenas demonstra como seu programa é direitista.

Isso, inclusive, é uma constante na “frente ampla” e na política burguesa. Os capitalistas são quem escolhem os candidatos, e não os partidos com base em um programa. É justamente o fato de que Wesley tem um programa e uma posição reacionária dentro do PSOL que foi financiado para se sobrepor em relação a setores mais combativos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas