Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
fome-no-capitalismo
|

O periódico espanhol “El País”, um dos principais órgãos de imprensa do velho continente, porta-voz dos interesses capitalistas na Espanha e também em toda a Europa, traz em sua edição eletrônica do último dia 05 de agosto, entrevista com Martin Ravallion, australiano, ex-economista do Banco Mundial, atualmente trabalhando como professor na Universidade de Georgetown.

O titulo dado à entrevista é a frase dita pelo economista, que ostenta o seguinte: “É preciso apagar a ideia de que reduzir a desigualdade é coisa de comunista”. A ideia implícita na frase, obviamente, é a de que o capitalismo seria capaz de superar as desigualdades, não sendo portanto, necessário abolir o regime de propriedade privada para se alcançar a tão almejada igualdade,

Para tanto, o ex-funcionário do Banco Mundial apresenta uma fórmula relativamente simples, que seria a superação das “iniquidades” (injustiça, pecado, perversidade) , obstáculo que ele identifica como dificultador para o fim das desigualdades. Portanto, removido este “pequeno obstáculo”, a humanidade estaria apta a seguir, com o capitalismo, em direção ao fim das desigualdades. Como se vê, uma ideia completamente moral do capitalismo, que segundo Ravallion, deveria abandonar sua vocação “malvada, pecaminosa e injusta”.

Nunca e demais lembrar que op capitalismo é um sistema econômico antagônico, alicerçado na propriedade privada dos meios de produção, ancorado no trabalho social e na apropriação individual. Desde os seus primórdios, ainda em sua fase de livre concorrência, o sistema já apresentava todas as tendências à concentração de renda, com o acúmulo de miséria e desigualdades.

O ex-economista e atual professor certifica que “gostaria que o capitalismo funcionasse para todo mundo. Não vejo isso acontecer”. Sim, claro, não é possível ver isso acontecer pelo simples fato de que é mesmo impossível, pois o capitalismo não só sempre funcionou, como atualmente funciona menos ainda para todos. Na verdade, o funcionamento do capitalismo é para bem poucos e cada vez menos ainda. O que se vê hoje no “funcionamento” do capitalismo é o caráter cada vez mais antagônico entre o desenvolvimento das forças produtivas e as relações de produção, relações capitalistas de produção (regime de propriedade privada), que se coloca cada vez mais como um obstáculo intransponível para o desenvolvimento das forças produtivas.

Portanto, a ideia de um capitalismo que atenda aos interesses de todos e que funcione para todos é não só fantasiosa como totalmente inviável na atual etapa (imperialista, dos monopólios) caracterizada pela maior e mais devastadora crise e bancarrota já vivenciada pelo sistema em todo o planeta. A agudização da luta de classes a nível internacional e o caráter cada vez mais acentuado das tendências destrutivas do capitalismo coloca para a humanidade, como única alternativa, a necessidade de lutar pela vitória da revolução proletária; pela implantação  do socialismo em todo o planeta; pela abolição do regime de propriedade privada; pela supremacia social, econômica e politica da classe operária; pelo controle operário da produção; pelo estabelecimento da ditadura do proletariado que irá abolir a sociedade de classes de classes, rumo ao comunismo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas