Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Desde o dia 29 de dezembro, uma força militar composta por 2.800 homens  ocupam a cidade de Natal, capital do Estado do Rio Grande do Norte. O pretexto para esta verdadeira operação de guerra foi a greve – já encerrada – deflagrada pelos policiais civis do Estado, que se recusaram a continuar trabalhando em função do atraso de 3 meses no recebimento dos seus proventos.

Assim como já ocorreu em várias outras cidades do país (Rio de Janeiro, Vitória) em outros momentos recentes, a presença das Forças Armadas ocupando pontos estratégicos de importantes capitais, deixa o conjunto da sociedade em alerta sobre uma iminente intervenção militar na vida institucional do país.

O pretexto para a ocupação é a propalada  GLO (Garantia da Lei e da Ordem), instrumento que vem sendo utilizado para justificar esse verdadeiro estado de terror e ameaça dos militares contra o país. “Com pelo menos dois tanques e dois caminhões, os militares estão circulando armados nas ruas do bairro da zona leste de Natal e realizando abordagens em pedestres e veículos que passam pelo local” (Tribuna do Norte online, 10/01).

Trata-se, evidentemente, de uma operação não só de intimidação, mas com um alcance e intenções bem maiores. Está claro que as forças armadas estão em treinamento e se preparam para intervir militarmente na vida política do país.

No último período se sucederam declarações de militares de alta patente das FFAA se posicionando abertamente pela intervenção militar, sendo a mais contundente delas a palestra do General Hamilton Mourão numa Loja Maçônica, em Brasília. Mourão defendeu abertamente uma intervenção militar, caso a classe a política não resolvesse a crise das instituições nacionais.

Agora, mais recentemente, os sites oficiais do Exército estão reproduzindo matérias dos jornais da imprensa golpista, onde os porta-vozes do mercado dizem estarem eufóricos com a possibilidade de condenação e prisão do ex-presidente Lula, no julgamento que ocorrerá dia 24 de janeiro, em Porto Alegre. Ainda de acordo com o conteúdo das matérias, os indicadores econômicos estariam reagindo positivamente, animando os mercados com a possibilidade de que uma candidatura de centro-direita venha a sair vitoriosa nas eleições de 2018.

Não há dúvidas quanto às (más) intenções dos “patriotas” militares. Evitar a todo custo – inclusive com o golpe militar – a hipótese de uma candidatura de esquerda ao Planalto, encabeçada pelo ex-presidente Lula. Na verdade, o que os generais golpistas desejam é que  Lula seja banido de vez da vida pública. Daí as ameaças constantes contra a esquerda e os movimentos sociais.

Lembremos 1964. À época, os generais que se levantaram como “patriotas” e que em suas declarações diziam estarem prontos para intervir em defesa do Brasil, “contra a corrupção e contra a ameaça comunista, depuseram um governo legitimamente eleito pelo voto popular. O que se sucedeu é bem conhecido de todos os brasileiros. Uma longa noite de terror foi instalada no país, onde por durante 20 anos imperou a perseguição, as prisões arbitrárias, a censura, as cassações, os desaparecimentos, as torturas e os assassinatos, além da mais desenfreada corrupção protagonizada por aqueles que se reivindicavam como arautos da moralidade.

Portanto, o que vem sendo dito e declarado pelos oficiais das armadas deve ser claramente entendido como um sinalizador de que as FFAA estão prontas a intervir no país. As sucessivas operações de ocupação em importantes capitais do país deixam claro que estão em curso manobras e exercícios preparatórios para a deflagração de uma operação de maior envergadura; vale dizer, o golpe militar.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas