Não, Márcia Tiburi
Parte da esquerda utiliza o exemplo de Tiburi, assim como o de Jean Wyllys – que fugiu primeiro – para promover a ideia de que trata-se de uma “resistência”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
42238779982_d7a49f9fb2_k
Márcia Tiburi vai lecionar na Universidade Paris 8. Foto: Júlia Flôres/Flickr de Maria do Rosário |

Márcia Tiburi, ex-candidata do PT ao governo do estado do Rio de Janeiro, viajou para os Estados Unidos no final do ano passado porque sua casa foi invadida e sofreu ameaças de morte por parte da extrema-direita. De acordo com Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo, ela vai morar em Paris porque, a partir deste mês, começará a dar aulas na Universidade Paris 8.

“Se o Brasil não mudar, eu não vou voltar. Talvez eu não volte nunca”, disse a também acadêmica.

Parte da esquerda utiliza o exemplo de Tiburi, assim como o de Jean Wyllys – que fugiu primeiro e agora lecionará em Harvard – para promover a ideia de que se trata de uma “resistência” e que eles seriam exilados políticos.

Tratam os dois como mártires. É uma campanha a favor da fuga de ativistas de esquerda para o exterior, algo absolutamente negativo para o movimento de luta contra o golpe. Isso, porque, nos dois casos, embora realmente haja uma perseguição do governo Bolsonaro, não é indo para o exterior que se organizará a luta contra ele. Ainda mais indo dar aulas em universidades, nem sequer articulando um movimento internacional contra o golpe e o governo ilegítimo de Bolsonaro.

Alimentar a ideia de sair do País é uma política suicida da esquerda, que levanta o moral da extrema-direita. Ora, se a esquerda recua (e fugir é um recuo gigantesco), a direita avança ainda mais até dizimar toda a esquerda.

A política correta é organizar a revolta popular contra o governo Bolsonaro, nas ruas, nos sindicatos, nos locais de trabalho, escolas e universidades, nos bairros e favelas. Combater o fascismo com as organizações de luta da classe operária, antes que Bolsonaro implante uma verdadeira ditadura que destrua essas organizações. Essa é a propaganda que deve ser feita, e não a de fugir do País. Porque a esmagadora maioria da população não poderá deixar o Brasil para escapar dos ataques da extrema-direita.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas