Fraude
Somente com suas manipulações grotescas é que a burguesia consegue eleger seus candidatos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
urna
Urna eleitoral eletrônica | Foto: José Cruz/Arquivo/Agência Brasil

O primeiro turno na capital paulista se encerrou com Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) indo ao segundo turno. Covas teve 32,85% dos votos válidos, enquanto Boulos terminou com 20,24%. O número de abstenções chegou a 29,29%, enquanto o número de votos em branco foi de 5,87% e os votos nulos foram de 10,11%. Se somarmos esses últimos chegamos 45,27%.

Na cidade do Rio de Janeiro, votos válidos foram 54.27% do eleitorado, colocando Eduardo Paes (DEM) com 37,01%, e Crivella (Republicanos) com 21,9%, no segundo turno. Por outro lado, se somarmos votos em branco:4.39%, nulos: 8.53%,  e abstenções: 32.79%, encontraremos um total de 45,71%.

São Paulo, assim como o Rio de Janeiro, mostra um tendência a degeneração do regime quando nos deparamos com quase 50% de votos inválidos e sem nenhum peso importante na contabilização dos votos. O que é absurdo, pois demonstra que a eleição produz a falsa ideia de que, quem está ganhando, tem o apreço popular da maioria, quando na verdade não é isso que acontece. Considerando, hipoteticamente, que a eleição de São Paulo terminasse agora, o pleito provocaria a ilusão de um crescimento em aceitação pelo voto da direita e da burguesia, com esses 32,85 % do Covas, quando, de fato, os votos inválidos com esse peso de 45,27%, já provaria o contrário.

Essa é, inclusive, um problema da legislação e do como o legislador lida com os votos inválidos. E isso porque, segundo ele, o legislador, os votos inválidos não são considerados na contagem, são desprezados e descartados. Isso chega ao absurdo de, diante da invalidação dos votos de 99,99% dos votos, os 0,01% de votos válidos, quando apurados regularmente em processo eleitoral, chancelaria a posse e o mandado do “vitorioso” para o governo a que concorreu, o que, sem dúvida alguma, seria uma fraude e um golpe, e nunca uma democracia.

A degeneração é uma consequência do aprofundamento do golpe de 16, que trouxe a perseguição judicial de lideranças de esquerda em 2012; o fortalecimento da extrema-direita no país, em atos coordenados pela internet em 2013; uma forte campanha pela imprensa golpista contra a esquerda; a derrubada do governo de Dilma; a prisão de Lula pela Lava Jato; a implementação de reformas como a trabalhista, a fiscal, a previdenciária, e as privatizações, que representaram uma transferência de renda brutal da classe trabalhadora para o empresariado; e, no final das contas, a fraude eleitoral que elegeu Bolsonaro e colocou a extrema direita no poder, quase que aniquilando a esquerda e a força dos movimentos sociais e dos sindicatos.

A vitória eleitoral da direita segue o plano de institucionalizar o golpe, que, em todo o país, desde as eleições de 2018, ganha um reforço providencial com a justiça eleitoral, que, debaixo de reiteradas fraudes eleitorais encampadas com as eleições, vai produzindo essas artimanhas que a fortalece cada vez mais com o passar dos tempos.

Essa é, de fato, mais uma prova de que não é possível mudar nada pela via institucional, e que, longe disso, só demonstra o quanto o povo sofrido e maltratado, está sendo feito de bobo e passado para trás.

Diante dessa realidade, fica claro que a única saída é a mobilização de toda a classe trabalhadora e do povo pobre e espoliado, como única alternativa viável que possibilite a mudança da política e do regime, na direção de um governo que retome as pautas e a agenda de trabalho que lhe favoreça acabar com o desemprego, a fome e a miséria.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas