Não à europeização do futebol
Nos últimos dias diversos órgãos da imprensa capitalista começaram a dar publicidade a necessidade da troca de técnico no Flamengo por outro técnico igualmente estrangeiro
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Marcelo Gallardo, do River Plate um dos estrangeiros para europeizar o futebol brasileiro | Pilar Olivares/Reuters

Desde a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, com toda a campanha contra o futebol brasileiro e contra o PT da parte da direita, amparada pelo “Não vai ter Copa” de Boulos e companhia pequeno Burguesa é muito transparente que os grandes capitalistas que controlam esse esporte no Mundo, não querem mais que o povo, as grandes massas compostas de trabalhadores, frequentem os estádios de futebol no Brasil.

Dentro dessa política proclamaram a era do tal “futebol moderno”, que de nada tem a ver com a melhoria da qualidade do evento, mas apenas com a elitização do futebol, esporte que sempre teve como atrativo a capacidade de arrastar multidões, em sua maioria a classe operária. Além da transformação de estádios populares, que possuíam ingressos baratos, por Arenas multiuso, inflacionando o valor do ingresso, extinção das gerais, proibição das bandeiras tudo com o objetivo de expulsar dos estádios os torcedores oriundos da classe operária, para preenchê-los de torcedores com maior poder aquisitivo, integrantes da branca classe média e alta brasileira.

Agora seguindo a mesma linha os capitalistas ligados ao esporte(patrocinadores, conglomerados de TVs, em especial a Rede Globo), assim como a burguesia fascista brasileira fazem campanha escancarada pela entrada de dezenas de treinadores estrangeiros no país. Estes reacionários que sempre fizeram campanha e agiram contra técnicos de futebol brasileiros negros, casos de Andrade, Cláudio Adão, Cristóvão Borges, Roger e Marcão entre outros, aumentam a campanha pela entrada de técnicos gringos no futebol brasileiro.

A campanha é tão grande que no começo deste ano o Brasil somente nas suas equipes da série A e B contavam com 5 treinadores estrangeiros, com esse número os dois principais campeonatos do país, séria A e B, apresentavam já naquela ocasião, mais técnicos estrangeiros do que ligas europeias, como a espanhola e a italiana, com 3 técnicos estrangeiros, e a portuguesa com apenas 1.

Agora, após a confirmação da saída de Jorge Jesus, a Globo, principalmente, e os demais grandes meios de comunicação praticamente definem que novo técnico do flamengo tem que ser estrangeiro e criam listas de nomes. 

Os argentinos Marcelo Gallardo, do River Plate, e Jorge Sampaoli, ex-Santos e hoje no Atlético-MG, Miguel Ángel Ramírez, do Independiente Del Valle, além de Leonardo Jardim, português que já dirigiu o Mônaco são técnicos cujos nomes são propagandeados pela imprensa e recebem apoio da diretoria bolsonarista do clube da Gávea.

Acertadamente o técnico palmeirense Vanderley Luxemburgo, após o acerto de Jorge Jesus do acertando com o Benfica de Portugal, um mês depois de assinar renovação com o clube carioca, foi tema de sua coletiva na sexta-feira passada. O técnico do Palmeiras denunciou que as críticas estão sendo muito menos pesadas ao técnico português do que ocorreria se um técnico brasileiro tomasse a mesma decisão.

Com todas as letras Luxemburgo declarou: “Quem precisa resolver é o Flamengo, que perdeu um treinador que cismou de ir embora no meio do caminho, que largou. É um treinador estrangeiro. Se fosse um brasileiro fazendo isso, a porrada hoje seria tamanha, seria porrada a todo momento” 

Vanderley ainda citou o óbvio que a saída de Jorge Jesus, não muda o patamar do Flamengo, que a qualidade dos jogadores do time carioca em sua enorme maioria de brasileiros continua e que, com ou sem o treinador português, o Flamengo continua favorito a disputa dos principais títulos do país. 

A questão dos técnicos estrangeiros é a continuidade da campanha contra o futebol brasileiro que é mantida de diversas formas, atacando torcidas, jogadores como Neymar e Gabriel Jesus (não por acaso negros), e permitindo que grandes empresas estrangeiras tomem conta do futebol brasileiro que é o caso do imperialismo no futebol, trazendo técnicos de fora para facilitar o domínio do futebol brasileiro pelos capitalistas, principalmente os europeus.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas