Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ivan Monteiro
|

Com a saída de Pedro Parente da presidência da Petrobrás (por que não havia como continuar como figura golpista), quem assume o posto é Ivan Monteiro. E quem é Ivan Monteiro?

Ninguém em sã consciência acreditaria que o governo golpista colocaria alguém de esquerda, a favor da Petrobras para os brasileiros, isso é claro.

Monteiro geria o programa de venda de ativos da gestão de Parentes. Ativos?

O Ativo faz parte das Contas Patrimoniais e compreende o conjunto de Bens e Direitos da organização (entidade, empresa), possuindo valores econômicos e podendo ser convertido em dinheiro (proporcionando ganho para a empresa). É a parte positiva da posição patrimonial e identifica onde os recursos foram aplicados.

Ivan Monteiro é a ponta de lança, o carro chefe do processo de privatização da Petrobrás. A venda dos chamados ativos, é, em poucas palavras, a venda da Petrobras.

Ivan Monteiro é ainda mais direitista que Pedro Parente. Intimamente ligado ao mercado financeiro é bem visto pelo “mercado”.

Sua “linhagem golpista” é de impressionar: subordinado à Pedro Parente, que foi ministro ( do Planejamento, Casa-Civil e de Minas e Energia) quando Fernando Henrique Cardoso era presidente.

Em 2009, chegou à vice-presidência de Finanças, Mercado de Capitais e Relações com Investidores do Banco do Brasil.

Ivan Monteiro também teve papel no resgate do Banco Votorantim, que envolveu o corte de 40% dos funcionários. Resgatou o banco, para “afundar” 40% dos trabalhadores.

No início do ano passado, ele afirmou que a empresa tinha uma carteira de ativos de 42 bilhões de reais que podiam ser vendidos. Isso de uma empresa que na verdade vale centenas de bilhões (até esse momento). Vender o que o mercado quer, a preço de banana: esse é o “plano” de Ivan Monteiro.

O caldo engrossa. Michel Temer disse que não haverá qualquer interfer6encia de seu governo na política de preços da companhia. Os trabalhadores perdem de qualquer maneira: interferindo já vimos o que acontece; se não interferir, o amado do mercado financeiro é quem irá decidir. O povo brasileiro esta entre a Cruz e a Espada.

O governo finge recuar na política de preços atrelada ao dólar (que levou a Argentina à falência em 1999 por exemplo), mas sabemos que o especialista em salvar bancos, demitir trabalhadores, louvado pelos investidores internacionais, não irá seguir uma política de benefício aos trabalhadores.

A saída de Pedro Parente e a entrada de Ivan Monteiro, se deve pela pressão de uma das maiores (senão a maior) crises desde o impedimento de Dilma Roussef. A greve dos caminhoneiros e de setores dos Petroleiros, colocou o governo ainda mais contra as cordas, e, assim, precisou trocar os “fantoches” na presidência da Petrobras.

A ampliação das mobilizações e greves se torna ainda mais importante. Setores da extrema-direita se mostraram durante a greve dos caminhoneiros. É tudo contra o golpe. Mais do que nunca, antes que a próxima crise venha, a esquerda deve se organizar cada vez mais.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas