Siga o DCO nas redes sociais

Nomeações do governo Bolsonaro
Novo presidente da Fundação Palmares é um fascista e racista
O novo chefe da Fundação Palmares considera que falar de racismo é “vitimismo”, também contra o dia nacional da consciência negra e diz que Zumbi dos Palmares é um falso herói.
Untitled-15
Nomeações do governo Bolsonaro
Novo presidente da Fundação Palmares é um fascista e racista
O novo chefe da Fundação Palmares considera que falar de racismo é “vitimismo”, também contra o dia nacional da consciência negra e diz que Zumbi dos Palmares é um falso herói.
“Negro de direita, contrário ao vitimismo, aos direitos dos manos e ao politicamente correto.”
Untitled-15
“Negro de direita, contrário ao vitimismo, aos direitos dos manos e ao politicamente correto.”

O novo chefe da Fundação Palmares considera que falar de racismo é “vitimismo”, é contra o dia nacional da consciência negra e diz que Zumbi dos Palmares é um falso herói.

Na última quarta-feira (27), a Secretaria de Cultura do Governo Federal nomeou Sérgio Nascimento Camargo a chefe da Fundação Palmares, substituindo Vanderlei Lourenço. A nomeação causou polêmica por conta das diversas declarações racistas que Nascimento tem proferido nas redes sociais.

“Negro de direita, contrário ao vitimismo, aos direitos dos manos e ao politicamente correto.” Assim se descreve Sérgio Camargo em seu perfil no Twitter. A repercussão negativa foi tão grande que ele desativou sua conta na rede social.

Camargo publicou ainda “incalculáveis perdas à economia do país” ao homenagear quem ele chamou de um “um falso herói dos negros”, Zumbi dos Palmares.

Esse tipo de nomeação é o que se espera do governo Bolsonaro – todos os cargos estão ocupados por vendidos para atacar diversos setores da população. Como, por exemplo, o presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio), Marcelo Augusto Xavier, que também tem se colocado contra demarcação de terras indígenas.

São capitães do mato que são selecionados pelo governo Bolsonaro. Lutar por exoneração de cargos isolados não vai resolver o problema. Como aconteceu com a substituição do ministro da Educação. É trocar 6 por meia dúzia e se colocar na tarefa de ajudar Bolsonaro a escalar o seu governo.

É preciso derrubar o governo golpista de conjunto. Com as palavras de ordem de “Fora Bolsonaro!”, exigir nas ruas que a eleição fraudada de 2018 seja anulado a partir de novas eleições: eleições gerais já!