Velhos problemas de cara nova
Embora a pandemia seja um divisor de águas, e uma realidade nova nasça daí com uma rotina de trabalho diferente, no essencial permanece a luta do trabalhador contra a exploração
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
empresas na pandemia
Linha de produção de luvas de vinil descartáveis em uma fábrica na China. | WAN SC / BARCROFT MEDIA VIA GETTY IMAGES

Definitivamente, a pandemia da covid-19 é um divisor de águas que determina um novo mundo. Nesse novo cenário, as relações interpessoais ganharam uma tratamento diferenciado em função do risco de contágio, e novos hábitos para lidar com a saúde influenciaram mudanças na rotina de trabalho em todas as direções. 

Segundo levantamento do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas), quase 90% das empresas brasileiras promoveram alguma alteração no seu modo de operação durante a pandemia; 27% das companhias que fizeram mudanças têm a avaliação de que elas serão temporárias, e outras 56% dizem que as medidas serão incorporadas parcialmente ou totalmente, e 17% ainda avaliam a questão.

Dentre as mudanças, estão novos produtos ou serviços, home office, e novos meios de vendas.

A pesquisa mostra também que os comerciantes que realizam vendas online se tornaram maioria após a pandemia. Antes da crise, 47% realizavam pelo menos parte das suas vendas por canais online (53% só vendiam por lojas físicas). Agora, 62% vendem via internet, e 38% continuam restritos às vendas em lojas.

Viviane Seda Bittencourt, uma das pesquisadoras do Ibre/FGV responsáveis pela sondagem afirma que: “Nos supermercados, muitos ofereciam apenas a venda em loja física e passaram a fazer o delivery, incluíram vendas por aplicativos. Esse setor foi o menos afetado pela crise dentro do comércio, porque é o que provém bens essenciais para o consumo, e conseguiu se adaptar para a venda online, para a entrega em domicílio, mais rápido do que os demais setores” (Folhapress, 26/7/20).

Apesar de tudo o que vem acontecendo, no essencial, as mudanças não alcançam o sistema capitalista de conjunto, cujas relações sociais se mantiveram inalteradas, sendo sua crise estrutural uma realidade que se agravou com a pandemia.

No que afeta a população de trabalhadores, nós estamos vendo no Brasil um aumento significativo do desemprego e da miséria como consequência do fechamento de muitas empresas, muitas que já não vinham bem antes da crise e com ela desabaram, e outras tantas que não suportaram o impacto econômico negativo com aumento do custo de matéria prima por um lado e escassez na entrega, e por outro, a falta de receita que levou todo o capital de giro, provocando a falência.

O dia seguinte da crise já é uma promessa de tragédia, em que o trabalhador brasileiro tem pela frente o desemprego, a fome, a morte e as sequelas da doença. O “novo normal” de que a imprensa burguesa fala não é a migração das vendas para a internet e o home office, mas um estado de exploração e opressão ainda maior para milhões de trabalhadores no Brasil e no mundo. Para isso, existe uma “velha” solução. A luta pela derrubada do capitalismo de conjunto, uma revolução que coloque a classe operária no poder e apresente uma solução própria na defesa dos interesses e da vida da classe trabalhadora e dos povos oprimidos de todo o mundo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas