Ataque aos trabalhadores!
Governo fascista amplia corte de salários por mais dois meses.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Dep. Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, durante entrevista coletiva com o ministro da Economia, Paulo Guedes, no ministério da Fazenda. Foto: Sérgio Lima/PODER 360
Bolsonaristas Rodrigo Maia (esq.) e Paulo Guedes (dir.) | Foto: Sérgio Lima/PODER 360

O governo ilegítimo de Jair Bolsonaro, pressionado pela burguesia, em especial, os bancos, continua os ataques contra a classe trabalhadora brasileira. Desta vez, o líder fascista prorrogou, através de decreto, a posssibilidade de ampliar, por mais dois meses, os acordos de redução de jornada de trabalho e salários. O corte de salários pode chegar a 70%, segundo a legislação inimiga do trabalhador.

Os capitalistas, que utilizam a pandemia para ficarem mais ricos às custas da exploração do povo, são os verdadeiros “donos” do governo e utilizam da pequena base social de Bolsonaro para implementar todo tipo de ataque possível à classe trabalhadora e a suas organizações, fazendo um verdadeiro saque ao dinheiro do povo.

A direita tradicional, conhecida demagogicamente como “centrão”, composta por DEM, PSDB e outros partidos que compactuam com Bolsonaro, mas fazem de tudo para escondê-lo, vota com o governo golpista sempre que a pauta envolve reduzir os direitos dos trabalhadores. Assim foi na reforma da previdência, que fará o povo trabalhar até morrer, na reforma trabalhista, que buscou destruir os sindicatos e ampliar a terceirização, além do valor digno de esmola dado para o povo durante a pandemia.

O mesmo “centrão”, que tenta se revigorar eleitoralmente através de farsesca “frente ampla”, fez vista grossa ao governo entregar mais de 1,3 trilhão de reais aos bancos a fundo perdido. Enquanto isto, Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da câmara federal, faz propaganda aberta e escancarada pela reforma administrativa, que retirará direitos históricos dos funcionários públicos. Trata-se de uma política coordenada de destruição nacional.

A justificativa do governo para os ataques contra os trabalhadores é que estas “reformas” reduzirão o desemprego e aumentarão a renda, porém o que se vê é um aumento galopante do desemprego, a erosão total da renda, o retorno da fome e a precarização do trabalho.

Ao mesmo tempo que retira direitos e salário do povo, os golpistas acabam com saúde, educação e moradia, através da Emenda Constitucional 95, que criou o teto de gastos. Assim, fica óbvio que não é possível aguardar até 2022, como a esquerda pequeno burguesa tanto sonha, mas que o governo golpista e ilegítimo deve ser derrubado imediatamente através da mobilização popular.

Criar ilusões em eleições e numa suposta frente ampla só trará mais derrotas à esquerda. O povo sabe quem são seus inimigos e uma aliança eleitoral com estes só causará mais descrença na esquerda e uma despolitização geral. Enquanto Bolsonaro e os golpistas esfolam vivo o trabalhador, a esquerda eleitoreira sucumbe e, como já é tradição, coloca a culpa no povo por seu fracasso.

A esquerda deve abandonar imediatamente esta política e mobilizar imediatamente o povo pelo “Fora Bolsonaro”, eleições gerais e pela candidatura de Lula.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas