Privatização da Petrobras
Contra a entrega do patrimônio nacional, mobilizar os trabalhadores contra as privatizações e pelo Fora Bolsonaro!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
SÃO PAULO, SP, BRASIL, 04.09.2018: ECONOMIA-SP - A gasolina sofre novo aumento nos preços de acordo com o anúncio feito hoje pela Petrobras. A alta de 1,68% eleva o valor de 2,1704 para R$ 2,2069 o litro do combustível e começa a valer nesta quarta-feira (5). Os postos podem ou não repassar o aumento de preços para o consumidor final. (Foto: Raphael Castello/Folhapress)
Aumento dos preços é consequência da privatização | Foto: Raphael Castello/Folhapress

Um dado divulgado esta semana demonstrou na prática no que consiste a política de privatização do patrimônio nacional, como o pré-sal e a própria Petrobrás. A empresa elevou o preço da gasolina em suas refinarias em 6%, enquanto o diesel teve alta de 5%. Em média, o preço da gasolina teve alta de 0,55% nas bombas em comparação a última semana do mês.

A entrega do petróleo nacional é uma das principais políticas defendidas com unhas e dentes por aqueles que deram o golpe de estado no País. Desde o governo golpista de Michel Temer este projeto vem sendo colocado em marcha a todo o vapor. Além de indicar nomes ligados diretamente aos monopólios internacionais da indústria petrolífera, como a Shell e a Chevron, para o controle da empresa nacional, o governo golpista de Temer colocou em prática a venda de refinarias fundamentais para o Brasil, como Abreu e Lima, Landulpho Alves, Alberto Pasqualini e Presidente Getúlio Vargas.

O governo de extrema-direita de Jair Bolsonaro continua levando à diante a política de pilhagem do imperialismo e entregando de bandeja  o patrimônio nacional para o capital externo. De acordo com um levantamento realizado pela Subseção da Federação Única do Petroleiros do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócio-Econômicos), entre janeiro de 2019 e julho de 2020 foram 2,5 processos de vendas de ativos da empresa abertos por mês durante o governo ilegítimo de Jair Bolsonaro.

Para efeitos de comparação, durante o governo Temer foram abertos em média 1,4 processos por mês e durante o governo Dilma essa média era de 0,4 processos por mês.

Trata-se de um verdadeiro assalto à economia nacional, por meio do qual os maiores prejudicados são os trabalhadores da Petrobras que sofrem com a degradação das condições de trabalho e a própria população do País, que acaba sendo obrigada a arcar com a precariedade dos serviços e o aumento dos preços.

A única política consequente para enfrentar a privatização da Petrobras e de todas as empresas nacionais é a mobilização da classe trabalhadora e de todo o povo. A luta estritamente parlamentar defendida por praticamente todos os setores da esquerda não será suficiente para impedir a privatização da Petrobras e dos Correios, por exemplo.

É preciso mobilizar os trabalhadores no sentido de organizar a greve geral de toda a classe trabalhadora brasileira contra a privatização de seu patrimônio. É de fundamental importância também apesentar um eixo político para esta mobilização, ou seja, o Fora Bolsonaro e todos os golpistas. Somente com a derrota de todos os setores da direita golpista será possível impedir a pilhagem da riqueza pertencente ao povo brasileiro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas