Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
05_05_23_Brasil_grilagem
|

Movimentos sociais e entidades populares produzem nota contra a aprovação do Projeto de Lei Nº 129/2019, que trata da regularização fundiária do Estado do Pará.

O projeto teve tramitação acelerada e aprovação relâmpago pela Assembleia Legislativa Paraense em menos de um mês. Foi apresentado no dia 15 de maio e votado em 1º e 2º turnos no último dia 11 de junho, portanto, defendendo os interesses dos latifundiários e do agronegócio, sem algum diálogo ou debate com instituições públicas, movimentos sociais e entidades da sociedade civil paraense.

Em nota, os movimentos sociais e entidades da sociedade civil manifestam sua preocupação e repúdio à aprovação do Projeto pelos deputados e sua iminente sanção pelo governador Hélder Barbalho, já que o projeto, denominado de “Nova Lei Agrária”, foi apresentado pelo próprio Executivo estadual e, de longe, resolverá a grave situação e os conflitos agrários daquele Estado e poderá agravá-los. É imprescindível lembrar que o Pará é o estado brasileiro que lidera o ranking nacional por mortes no campo.

A Nota afirma que “… Diversos estudos já apontaram que a grilagem de terras públicas foi um dos principais mecanismos de apropriação ilegal de terras, por parte dos grandes latifundiários, no Estado do Pará. Prática que a recente lei aprovada na ALEPA objetiva chancelar, possibilitando que títulos podres  sejam regularizados e revestidos de legalidade”.

A Nota diz ainda que “A Lei aprovada é temerária e preocupante, porque além de possibilitar a regularização de terras griladas, apresenta dispositivos que criminalizam membros dos movimentos sociais, impedindo que sejam beneficiados pela política de regularização fundiária do Estado do Pará; permite a legitimação de títulos de posse emitidos pelo Estado ainda no Século XIX, sem que o INTERPA (Instituto de Terras do Pará) tenha apresentado dados e informações referentes ao número de títulos emitidos, hectares e quantidade de processos em análise, tão pouco tenha realizado estudos de identificação da atual situação fundiária desses lotes; além de dispositivos que podem aumentar ainda mais os conflitos no campo e na especulação imobiliária. Portanto, este projeto está na contramão da garantia e defesa dos direitos humanos daqueles que lutam e sonham pela efetivação de uma política de Reforma Agrária no nosso Estado e no País.

Após a publicação da Nota dos movimentos sociais e entidades civis, o Ministério Público do Pará reagiu diante da atitude fascista e bolsonarista dos deputados paraenses e determinou que o Governo do Estado devolva à Assembleia Legislativa o projeto para que o tema seja debatido em consulta pública.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas