Investida imperialista
Sanções internacionais e sabotagem interna são meios já utilizados pelo imperialismo e seus capachos para desestabilizar governos em diversas oportunidades; o novo alvo é Belarus
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
belaeus
Objetivo do imperialismo é fazer do país uma nova Ucrânia, paraíso neoliberal e antro de fascistas | Foto: El Bingle/Flickr

Os coxinhatos branco-vermelhos não foram suficientes para derrubar Lukashenko. Contra as manifestações da classe média de direita, milhares de pessoas saíram às ruas de diversas cidades de Belarus em apoio ao governo e em repúdio ao golpe.

A oposição também não foi bem sucedida nos seus chamados à greve. Os trabalhadores, em sua maioria, estão com Lukashenko. A Federação dos Sindicatos de Belarus é um dos pilares do governo e o líder reeleito tem mantido encontros frequentes com os operários em fábricas pelo país.

Diante da frustração, o imperialismo e seus fantoches da oposição e dos países satélites europeus iniciaram uma nova etapa na tentativa golpista: a asfixia econômica.

No último dia 19, o Conselho Europeu (órgão executivo da União Europeia) anunciou que vai aplicar novas sanções a Belarus, o que já havia sido aprovado pela UE no dia 14.

Leia também: Tentativa de golpe imperialista na “última república soviética”

É importante lembrar que o país sofre sanções internacionais há muitos anos, tanto dos países europeus como dos Estados Unidos, sob a famigerada desculpa da “violação de direitos humanos”. Desta vez, a desculpa é a mesma: a “ditadura” cujas eleições não foram reconhecidas pelo imperialismo reprime o seu povo.

Lukashenko é frequentemente comparado a Adolf Hitler, sendo tachado de o “último ditador da Europa”. Mas os adoradores de Hitler são justamente os opositores de Lukashenko, que usam a bandeira adotada pelos apoiadores dos nazistas quando a Bielorrússia Soviética foi ocupada pela Alemanha na Segunda Guerra.

Durante a ocupação nazista da Bielorrússia Soviética na II Guerra Mundial, os alemães utilizaram como bandeira oficial do país ocupado a bandeira dos reacionários que, desde a época da Revolução Russa, defendiam a monarquia, e passaram a colaborar com os nazistas. A foto, em preto e branco, foi editada para destacar as cores da bandeira dos fascistas bielorrussos (entre as duas bandeiras, há o brasão, com um cavaleiro montado).

 

A vencedora do Prêmio Nobel de Literatura, Svetlana Alexievitch, que preside o “conselho de coordenação para a transição de regime”, órgão golpista formado pela oposição no exterior, negocia a asfixia econômica do país com a União Europeia, demonstrando como são vendilhões da própria nação aqueles que sempre se dizem “patriotas”.

Existe também uma campanha pela queda na cotação do rublo belarusso, a moeda local. A propaganda na imprensa golpista é forte, escondendo que todas as moedas das economias atrasadas (e mesmo de economias avançadas) estão em franca queda com a crise econômica mundial do capitalismo.

Além disso, a oposição tem feito apelos à população para boicotar os produtos nacionais e não pagar taxas, como relata nosso correspondente em Minsk, Tiago Carneiro. O objetivo disso seria obrigar o governo a recorrer à ajuda do FMI, o que seria submeter o país ao domínio imperialista.

Inicia-se, também, um processo de fuga de capitais. Algo que os brasileiros viram durante o processo golpista contra Dilma Rousseff entre a sua eleição (2014) e o impeachment (2016).

Leia também: Lukashenko precisa desarmar a quinta-coluna golpista

Talvez prevendo esse ataque econômico, Lukashenko se protegeu ao ordenar o retorno de todas as reservas em ouro para o país, três meses atrás. Uma atitude inteligente, pois basta ver a situação da Venezuela (com mais de 1 bilhão de dólares em ouro confiscados pelo Banco da Inglaterra) para entender que não se pode confiar seu ouro nos bancos imperialistas.

Lukashenko denunciou na semana passada, discursando a trabalhadores de uma fábrica em Orsha, que o imperialismo trama um golpe de Estado. “Eles [os imperialistas] precisam remover este governo e instalar outro que apele para um estado estrangeiro enviar tropas e apoio. Eles precisam aqui de um mercado para vender seus produtos”, disse.

Tanto de fora, como de dentro do país, o imperialismo e seus quinta-coluna buscam asfixiar a economia de Belarus. Trata-se de um dos métodos mais tradicionais para se derrubar um governo. Isso foi visto no Chile de Allende, no Brasil de Dilma, na Venezuela de Maduro. Tenta-se fazer isso contra Cuba e Coreia do Norte há décadas.

No mesmo discurso, Lukashenko falou da sabotagem interna dos capitalistas contra o governo. “A maioria das empresas privadas começou a entrar em conflito com o estado”, declarou. É a velha tentativa de destruir a economia de um país a fim de colocar a culpa no governo, levar à insatisfação popular (principalmente da classe média) e utilizar isso como desculpa para impor mais sanções e, mesmo, invadir o país.

A esquerda internacional precisa denunciar o início de um bloqueio econômico contra Belarus, que prejudicará apenas o povo do país. Por sua vez, o governo precisa impor uma mão de ferro contra os sabotadores domésticos e confiscar as empresas que estejam atuando contra a economia nacional.

https://www.youtube.com/watch?v=HUQG0G24u4s&list=PL6exWLai3Il1LXv0jjeur6O4E1gdW-oK6

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas
Sobre o Autor
Publicidade
Últimas
Publicidade
Mais lidas hoje

Nenhum dado até agora.