COVID-19 no Amazonas
Nova mutação originada no Amazonas é descoberta por pesquisadores. Mais um reflexo da política golpista na pandemia.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
manaus
O retrato da situação da pandemia no Amazonas | Foto: Reprodução

A mais recente descoberta da crise sanitária no Brasil foi a nova mutação do coronavírus. Depois de mais de 200 mil mortes oficiais confirmadas, foi encontrada por um laboratório privado do Amazonas uma amostra de uma variação do vírus da covid-19 causador da pandemia no Brasil. A variação que é derivada da linhagem B1.1.28 responsável pelo contágio inicial e presente em todos os lugares do país.

Com a nova informação sobre o que de fato está acontecendo no Brasil acerca da crise sanitária, os pesquisadores da Fiocruz na Amazônia alertam sobre a possibilidade de que as várias mutações sofridas podendo ter causado um aumento da capacidade de transmissão. Sem nenhuma grande confirmação neste aspecto, não se pode descartar, apesar de improvável, que o vírus tenha outros acréscimos preocupantes para o desenvolvimento da doença no Brasil.

Em grande medida, algumas das características da descoberta já apontam para o caos da crise sanitária no Brasil que mal é acompanhada de perto. Por exemplo, para que o pesquisador responsável pela Fiocruz no Amazonas soubesse da mutação originária no estado foi preciso que um laboratório privado e um grupo de pesquisadores da USP e de Oxford comparassem a amostra viral com os dados da amostra viral japonesa disponível no banco de dados internacional de pesquisa sobre o vírus. Ou seja, não só a mutação não foi contida no estado e no país como se espalhou para países distantes sem que isto fosse notado, o que demostra total descontrole sobre a pandemia.

Por esta mesma razão, apesar de que os pesquisadores tentem evitar o óbvio, não é possível no momento que se saiba exatamente a extensão das mudanças causadas pela mutação e seu impacto no contágio e na doença. Claramente, pronunciar-se sobre o assunto de forma a amenizar os riscos é duvidoso e só serve para conter a instabilidade política causada pela política de genocídio da direita que, mais do que o vírus em si, é a responsável pela atual situação da pandemia no Brasil.

Além de todas as mortes causadas, ainda hoje, quase um ano desde o começo da pandemia não é possível ter uma ideia de como a pandemia será superada ou de quando ela irá terminar. Isto demonstra a enorme falta de força de vontade política da burguesia e dos seus principais representantes da direita, os golpistas, em resolver o problema da pandemia. Ainda mais, demonstra que a política levada a adiante pela direita golpista de infligir à população os mais duros golpes nos últimos anos, intensificou-se durante a pandemia, ao invés de uma “união nacional” ou “global” contra o vírus.

Como sempre, a esquerda ficou a reboque da direita e aceitou a fantasia de que a direita resolveria a pandemia e deixaria de atacar a população. Cada vez menos isto se mostrou verossímil com as declarações sucessivas da direita golpista de que a frente ampla com a esquerda não servirá aos propósitos da esquerda ou do povo. Mais do que isso, os últimos meses foram marcados pela intensificação dos ataques da direita contra a população. Neste momento, é preciso esclarecer que, longe de ser a salvação, a direita golpista é a principal responsável pelo genocídio que a pandemia representa no Brasil, principalmente para a parcela mais pobre da população.

É importante também ressaltar a situação da região Norte do País. Somente no estado do Amazonas, dois grandes aumentos no número de casos e de mortes foram observados totalizando mais de 5 mil mortes e 200 mil casos no estado. Em termos proporcionais, comparando com o resto do Brasil, a média de casos por milhão de habilitantes em Manaus é quase quatro vezes a média de casos no resto do Brasil. Como a própria imprensa golpista não pôde negar totalmente, a culpa está na quase total ausência de estrutura e organização para o atendimento médico no Estado.

Porém, qual foi a resposta da direita golpista durante toda a pandemia? Providenciar a infraestrutura e os insumos necessários para o atendimento médico de toda a população, contratação de profissionais para atender a demanda aumentada? Não. As únicas medidas em todas as esferas tiveram o objetivo de camuflar a situação. Contratou-se mais coveiros, abriram-se mais covas, mais caminhões frigoríficos para entulhar os corpos, uma série de restrições à vida cotidiana da população, entre outras medidas que, na prática, não são medidas contra pandemia. Tudo isto contribuiu para construir no estado do Amazonas o pior cenário visto no Brasil.

A política da direita, especialmente a ala golpista, é a de não fazer coisa nenhuma para acabar com a pandemia e somente manobrar a situação para que o caos e o descontrole não transpareçam de forma plena. Neste sentido, a descoberta tardia de uma nova mutação no Amazonas é mais um reflexo da política genocida dos golpistas, uma vez que quanto mais pessoas são infectadas, mais provável é uma mutação do vírus. Portanto, em parte, a falta de controle sobre o contágio é um fator importante e é um efeito da política golpista.

É preciso denunciar amplamente a situação da pandemia no Amazonas como o caso modelo da política da direita golpista para o Brasil e esclarecer que a propaganda “científica” é somente mais um passo para concretização do golpe no Brasil.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas