Ecetistas na luta
Trabalhadores dos Correios entraram em greve por tempo indeterminado desde hoje (11)
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Centro de Tratamento de Encomendas dos Correios em Benfica, zona norte da cidade, durante a greve decretada após assembléia geral dos trabalhadores (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Todos os 36 sindicatos da categoria aderiram à greve. Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil |

Da redação – Reproduzimos nota conjunta da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) e da Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect).

Uma greve é um instrumento legítimo da classe trabalhadora contra as arbitrariedades dos patrões. Por isso os trabalhadores dos Correios de todo o país aprovaram a paralisação das atividades por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (11).

A ECT se recusou a negociar um novo Acordo Coletivo e a única pauta apresentada foi para retirar direitos. A empresa alega que compareceu a 10 reuniões, mas além de descumprir o calendário e adiar a apresentação do índice econômico, o que aconteceu foi uma manobra para adiar as discussões para depois da data-base da categoria, que é em agosto, jogando os trabalhadores num limbo jurídico.

Mesmo com a mediação do TST, a empresa não recebe os representantes dos trabalhadores há mais de 40 dias e se nega a negociar, pois insiste em reduzir benefícios que rebaixariam ainda mais o salário da categoria, que já é o pior entre todas as estatais.

A truculência do general Floriano Peixoto, escolhido diretamente pelo presidente Bolsonaro para comandar os Correios no processo de privatização já fartamente defendido por todo o Governo não é por acaso. Tanto a base governista, quanto a direção dos Correios têm interesse em usar a greve para desgastar a imagem dos trabalhadores. Querem, inclusive, censurar os trabalhadores, proibindo de falar sobre a empresa, o que por consequência também impediria de debater publicamente os reais motivos que levaram à construção do atual movimento grevista.

A FENTECT e a Findect estão conscientes da responsabilidade na condução deste processo e acreditam que só a mobilização dos ecetistas pode garantir uma negociação justa que represente os anseios da categoria. Todos os 36 sindicatos de trabalhadores dos Correios aderiram à greve. A reivindicação é por um reajuste que cubra pelo menos a inflação do período e contra o corte de direitos.

Com a ameaça de privatização, este também é o momento de discutir a importância dos Correios para a sociedade, não apenas pelos impactos causados pela paralisação, mas pela necessidade de repensar as relações de trabalho, os problemas reais do povo brasileiro como o desemprego e – principalmente – o projeto de desmonte do Estado que quer destruir o patrimônio público brasileiro.

 

O que querem os ecetistas?

– Reajuste salarial com reposição da inflação do período (3,25%)

– Não aos cortes de direitos propostos como “medidas estruturantes”

 

A ECT não dá prejuízo e não depende de financiamento público.

Os trabalhadores dos Correios merecem respeito e dignididade!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas