Desigualdade social
A diferença econômica e social entre as regiões do país faz com que no Sul a população tenha mais chance de sobrevivência ao contrair o coronavírus do que a população do Norte
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Enterros de indígenas mortos pela Covid-19 em São Gabriel da Cachoeira no cemitério Parque da Saudade, familiares de Felisberto Cordeiro (Foto: Paulo Desana/Dabakuri/Amazônia Real/09/05/2020)
Enterro de Indígena em São Gabriel da Cachoeira - AM | Foto: Paulo Desana/Dabakuri/Amazônia Real

No Brasil, o número de mortes por COVID-19 para cada 100 mil habitantes é completamente distinto entre as regiões Norte e Sul do País. Enquanto na região Sul o número de mortos para cada 100 mil habitantes é de 3,4, na região Norte o número é de 45,5, ou seja, 13,4 vezes a mais.

O Brasil, por ser um país grande e atrasado economicamente, tendo lugares em que há a mais alta tecnologia e outros em que nem mesmo a energia elétrica chegou, é um país que comporta esse tipo de diferença entre as regiões. A região Norte, por exemplo, é uma das menos desenvolvidas do país, fazendo com que o número de hospitais, equipamentos e de pessoal da área da saúde sejam muito baixos em relação a outros estados.

Se pegarmos, por exemplo, o caso do estado do Amazonas, um dos mais atingidos pelo coronavírus, cidades como a pequena Labreá não possuem nenhum respirador, o que faz com que aqueles que necessitem do equipamento tenham que viajar por cerca de 800 km, até chegar à cidade mais próxima com o equipamento. A própria capital do estado, Manaus, foi uma das primeiras cidades do país a entrar em colapso por conta da doença.

Enquanto isso, a região Sul do país é uma das mais desenvolvidas, o que faz com que a população, apesar de ainda pobre, ter mais acesso a esses equipamentos, à infraestrutura adequada e a trabalhadores de saúde. Porém, até mesmo em estados mais desenvolvidos, há uma imensa desigualdade entre as diferentes cidades.

Mesmo dentro de uma mesma cidade é flagrante a diferença entre as classes sociais e seu acesso à saúde. Em um projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), em que um mapa da cidade de São Paulo e das cidades que a rodeiam foi montado e alimentado com dados da COVID-19 por CEP, é fácil de ver que em bairros mais ricos poucas pessoas morreram ou foram infectadas, enquanto o número de mortes e de infectados pelo vírus é gigante nas favelas e nos demais bairros populares, só não sendo maior pela falta de testes, o que fez com que o mapa ficasse repleto de casos de outras Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAGS), sem nenhuma explicação para essas síndromes.

Tudo isso contribui para aquilo que este diário vêm alertando desde o começo da pandemia: que o principal problema para se enfrentar a pandemia no Brasil é um problema social, que somente será combatido com eficácia caso a própria população se organize e exija o que é necessário para se enfrentar a crise da saúde e a crise econômica que assolam o país, o que também passa pela mobilização pelo Fora Bolsonaro.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas