Eleições 2020-2023
É necessário impulsionar a organização dos trabalhadores e a sua força, para isso só a unificação dos trabalhadores em instâncias únicas de luta. Um patrão, um sindicato!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Na medida em que os ataques aos servidores públicos estão sendo intensificados pelas forças golpistas, tanto a nível federal com Jair Bolsonaro, que pretende cortar salários e demitir o funcionalismo, como a nível municipal, com a exploração do trabalho EAD e a preparação de possível privatização de setores da educação, fica cada vez mais evidente a necessidade da luta por um sindicato único de todos os trabalhadores da educação municipal de São Paulo.

Hoje a categoria dos servidores em educação conta com cinco sindicatos Sinpeem (Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de SP), Aprofem (Sindicato dos Professores e Funcionários do Ensino Municipal de São Paulo), Sindsep (Sindicato dos Servidores públicos de São Paulo), Sedin(Sindicato dos Educadores da Infância) e Sinesp(Sindicato dos Especialistas – Gestão escolar).

Tendo inclusive entre estes, um sindicato de direita que é a Aprofem, onde por trás do discurso “os princípios de independência e apartidarismo que norteiam a atuação da APROFEM (não é filiada a qualquer Central e acolhe filiados sem qualquer patrulhamento político-ideológico)”, se esconde a política da direita, independência e apartidarismo) e o mais incrível é que esta entidade durante a principal luta do último período presidiu o chamado Fórum das Entidades que entregou a luta para Covas e Bolsonaro na luta contra a reforma da previdência.

Os servidores públicos mostraram sua enorme capacidade de luta ao enfrentar a draconiana reforma da previdência de Bolsonaro, Dória e Covas na cidade de São Paulo. No entanto, um ponto fundamental para a derrota de nossas reivindicações nesta e em outras lutas foi a divisão sindical.

O processo de desmonte dos direitos atingiu com particular ênfase o ensino público, expresso no congelamento dos investimentos federais (com efeito cascata em todos os níveis do Estado), no corte de verbas e no cerceamento da liberdade de expressão, presente não somente no reacionário Projeto Escola Sem Partido, mas em diversos episódios de perseguição e censura nas escolas de São Paulo.

A política de ataques dos golpistas Bolsonaro e Bruno Covas contra a educação ainda está nos seus contornos iniciais. Não é segredo para ninguém, que um dos objetivos declarados (constantemente mencionados pela imprensa capitalista e inclusive pelo relatório do Banco Mundial) é a privatização da educação e com a pandemia, já vemos uma dessas possibilidades florescer, com o EAD(Ensino a distância) imposto por na educação municipal paulistana.

Neste cenário, espera-se e é necessário, que o movimento dos servidores públicos construam um importante movimento de resistência e luta contra os golpistas. Entretanto, invés disso, encontramos as representações sindicais mergulhadas na mais completa confusão política.

Como já dito acima, não é possível deixar os servidores amarrados a instituições que propõe do divisionismo dos trabalhadores, como a própria Aprofem que não faz parte da CUT, assim como correntes políticas da categoria propõe o mesmo divisionismo, caso do famigerado PSTU, Mais, alas do PSOL que defenderam de braços dados com a direita, o “Fora Todos!”, durante o governo Dilma dando munição à direita para derrubar o governo petista e colocar no poder Jair Bolsonaro. Assim como foi o PSTU que impulsionou o divisionismo dos trabalhadores no país quando desde 2004 propunha a divisão e em 2010 formou a Central Sindical Conlutas, que deveria se chamar sem lutas, como vemos há muito tempo. Foi a Conlutas, a primeira central a se constituir e chamar os trabalhadores a abandonar a CUT, seguiu-se a ela a formação de mais de 13 diferentes Centrais, favorecendo diretamente os patrões e deixando de reunir todos os trabalhadores do país em uma única organização contra os governos fascistas.

Nós da Corrente Sindical Nacional Causa Operária e da Chapa Educadores em Luta – Fora Bolsonaro, propomos um novo e amplo processo de mobilização e rearticulação da representação sindical dos servidores, na luta pela unificação dos servidores públicos da educação em um único sindicato de luta.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas