No segundo mês de Bolsonaro, desmatamento da Amazônia cresceu 46%

Ricardo-Salles-Foto-Marcelo-Camargo-Agência-Brasil-1

Da redação – Segundo o monitoramento realizado pelo Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), a região perdeu, em fevereiro deste ano, 93 quilômetros quadrados de floresta. Embora tenha sido um índice menor do que o apontado no mesmo período do ano passado, o Instituto chama a atenção para o preocupante quadro.

Contudo, a política ambiental do fascista de Jair Bolsonaro e seu ministro igualmente fascista Ricardo Salles tendem a aprofundar extraordinariamente a devastação do meio ambiente, das demarcações indígenas etc., abertamente em favor dos latifundiários.

Esta tendência fica expressa considerando o calendário do desmatamento 2019, que leva em conta o período entre agosto/2018 a fevereiro/2019, que mostra o aumento de 46% em relação ao ano interior. Ricardo Salles foi posto à frente do ministério diretamente para atender aos interesses dos grandes latifundiários. Está promovendo uma reestruturação dos órgãos governamentais de controle e fiscalização como IBAMA.

Salles pretende dar carta branca para o desmatamento, dando sinal verde para a anistia das multas já aplicadas e a paralisação das fiscalizações. O governo Bolsonaro cometeu crimes contra o meio ambiente, assim como contra todos os trabalhadores do campo.