Assassinos que combatem crise
A Venezuela como sempre, dá o exemplo de como deve ser tratada a crise sanitária. Mesmo com o bloqueio e com as investidas imperialistas, o País tem sucesso no combate ao vírus.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Webp.net-resizeimage (7)
Desinfecção do covid em Caracas na Venezuela | Foto: Reprodução

O país do presidente acusado pela ONU por cometer crimes contra a humanidade, a Venezuela, teve entre os dias 17 e 18 de setembro, apenas 10 mortos e 890 novos casos do coronavírus. Mesmo bloqueada pelo imperialismo, justamente por causa de seu governo eleito que se preocupa minimamente com a população, dispara no combate à crise sanitária na frente dos países cujos governos direitas assassinam a população.

Os Golpistas dos EUA, Colômbia e Brasil, que abertamente se organizam para derrubar Maduro, já contam com mais de 200 mil, 136 mil e 24 mil mortes do vírus, respectivamente. Em comparação a Venezuela, longe estão de dar qualquer exemplo de assistência à população, lá morreram apenas 520 pessoas, bem como 82% de casos recuperados. A informação é do ministro do Poder Popular de Comunicação e Informação, Freddy Náñez, que indicou que das 890 novas infecções, 724 correspondem a transmissão comunitária e 166 importadas, todas da Colômbia. Em relação aos casos comunitários, especificou que o Distrito Capital concentra o maior número de casos com 207 infecções, seguido por Miranda 114, Yaracuy 82, Aragua 74, Portuguesa 47, Mérida 38, Barinas 35, Táchira 27, Monagas 23, Delta Amacuro 22 , Apure 22, La Guaira 19, Carabobo 15, Zulia 15, Nueva Esparta 3 e Anzoátegui 1. Do número total de casos Covid-19 na Venezuela: só 10.426 casos estão ativos, todos sendo tratados pela saúde pública.

Fica claro que os verdadeiros assassinos são os súditos do imperialismo que governam de forma ilegítima os países da América Latina para manutenção de seus recursos econômicos. Por isso, na mesma semana em que a ONU acusa Maduro de ser assassino e um criminoso contra a humanidade  – por meio de assessores -, Pompoe, secretário de Estado dos EUA, visitou diversos países Latinos, entre eles o Brasil e a Colômbia, estratégicos para invadir a Venezuela. Pompoe descaradamente afirmou que sua visita tinha como objetivo “ajudar o povo Venezuelano”, ou seja, sua visita foi também para traçar diretamente um plano para radicalizar as tentativas de Golpe ao presidente venezuelano.

Jair Bolsonaro e Ivan Duque são governos golpistas, os quais foram IMPOSTOS para serem capachos do imperialismo. Por isso, ambos ditatorialmente, matam sumariamente o povo latino americano, que já conta com centenas de milhares de mortes e  milhões de contaminados. Seja pela falta de um programa contra a crise sanitária e a crise financeira e o agravamento das das, seja por motivos políticos. Esses governos estão dispostos a fazerem tudo que os bancos e as empresas mundiais quiserem, como no caso, colocar os trabalhadores Latinos para guerrearem entre si.

Na Venezuela, país que possui uma das maiores reservas de petróleo do mundo, as tentativas de golpe falharam, agora, restou para os tubarões capitalistas investir em uma verdadeira guerra contra o povo venezuelano, o qual não deixará fácil para as mentiras escabrosas e para as invasões militares ao País. Toda a esquerda precisa se unir para defender os povos latinos do imperialismo em defesa da Venezuela e do governo de Maduro.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas