Violência contra a mulher
Com medo da fúria popular, o governo chileno vem reprimindo fortemente as manifestações e abusando do poder de autoridade para estuprar mulheres.
75339508_3167474533268766_2221763844663934976_o
Foto: Jose Miguel Araya |

A situação de colapso e protestos no Chile segue a todo vapor por todo o país e, como é o feitio da direita, as manifestações vêm sofrendo grande repressão por parte do principal aparato repressor do Estado, a polícia, colocada diariamente nas ruas para impedir que a população se rebele contra a burguesia. Nesse meio, as mulheres acabam sempre sendo uma das mais afetadas, no sentido de fortes violências cometidas contra elas. O Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH) entregou um relatório recente que engloba as violações ocorridas entre 18 de outubro, dia que começaram as manifestações no Chile, até 25 de novembro.

O balanço mostra um total de 499 ações judiciais contra agente dos Estado, incluindo 79 casos de violência sexual, como o estupro. Infelizmente, os governos de direita, a burguesia em geral, dá carta branca para que seus aparatos de repressão pratiquem qualquer tipo de violência. Para eles, por a mulher ser mais “vulnerável”, é logo um alvo mais fácil de reprimir e aviltar de todas as formas possíveis. Como sempre, o Estado se coloca contra a classe trabalhadora, que vai às ruas para lutar contra as políticas neoliberais que enchem os bolsos dos mais ricos e esvaziam os bolsos dos produtores de riqueza, ou seja, os trabalhadores. O direito de se manifestar, mais uma vez, é dado como algo perigoso e proibido pela burguesia.

Na questão das mulheres, a situação é muito mais alarmante. Na prática, já são uma parcela da população que sofrem as consequência não só da exploração de classe, mas, também, da opressão de gênero. A violência incitada constantemente pela burguesia, pela imprensa burguesa, pelos governos de extrema-direita, toda a vida dessas mulheres um verdadeiro inferno. A segurança da mulher dentro do capitalismo é algo inexistente, principalmente porque a principal instituição que, tecnicamente, deveria proteger essas mulheres, é a primeira a praticar tais violências. Não há nem a chance dessas mulheres fazerem algum tipo de denúncia que vá resultar em algo, porque essas autoridades estão recebendo tais ordens do Estado.

O que está acontecendo no Chile é apenas um reflexo da insatisfação popular no mundo inteiro, contra o modo de produção capitalista. É claro que a união dessas mulheres com o restante da população insatisfeita com essas medidas que só prejudicam a classe trabalhadora, travam a economia, acabam com emprego, diminuem o salário, etc., faz com que a burguesia sinta medo da fúria popular e apele para a violência. Esses número dos INDH só ratificam a necessidade urgente das mulheres se organizarem o quanto antes em comitês de autodefesa, para que elas mesmas tenham condições de se defender dos ataques da direita, pois não há nenhuma segurança garantida pelos aparatos mantidos pelo Estado.

Relacionadas