Futebol
Carta Capital adere à onda burguesa de atacar o o futebol brasileiro, mais especificamente Neymar
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Neymar carta capital
Capa da Carta Capital, onde ataca-se o craque brasileiro | Fonte: Carta Capital

Em mais uma cooptação da esquerda pequeno burguesa, dessa vez uma revista dessa natureza embarca na onda de desmerecer o futebol brasileiro e mais especificamente o seu maior expoente da atualidade, Neymar. Trata-se de uma capa da revista Carta Capital, que aponta o craque como um retrato do atual Brasil, leia-se Brasil pós-golpe de 2016 e pós-fraude eleitoral de 2018.

A imagem do atacante chorando a derrota do PSG para o Bayern de Munique estampa a capa, onde no rodapé aponta-se Olívio Dutra como a antítese de Neymar. Mais adiante, uma matéria esmiuça essa analise confusa de Mino Carta a respeito de Neymar e do ex governador do Rio Grande do Sul. No entendimento de Mino Carta, Neymar respresentaria um Brasil fracassado, no sentido de que em plena pandemia dizimando milhares de brasileiros por dia, o fato de jornalistas se debruçarem sobre a final da Champions League representa o Brasil da “democracia impossível”, como o mesmo destacou.

O erro de Mino Carta começa ao ter esperanças justamente de jornalistas oriundos da imprensa golpista que condenou o Brasil ao retrocesso do neoliberalismo inescrupuloso no golpe de 2016. Seguindo essa lógica, a suposta passividade do brasileiro que sobrevive apesar de um presidente genocida não tem relação com a omissão da esquerda pequeno burguesa, essa que deveria estar agitando greves e atos pela derrubada do presidente ilegítimo porém está mais preocupada com as eleições municipais.

Mais adiante Mino Carta parte para um processo de rasgar seda ao que o PT foi desde o processo de redemocratização no fim dos anos 70 até a vitória de Lula em 2002, sem se estender mais sobre Neymar. Aparentemente buscou-se uma desculpa para atacar o maior jogador brasileiro da atualidade sem muitas explicações, algo apenas gratuito, influência da imprensa burguesa que a esquerda de classe média adora seguir.

No entanto, não se critica quem realmente deveria estar se articulando pela derrubada do presidente ilegítimo, pela defesa da cultura e do esporte nacional, a mesma revista que abraçou a onda moralista da imprensa burguesa de “atos sem violência” em 2013, agora se esquiva de suas responsabilidades, e supostamente quer que simplesmente surja uma revolta popular sem esforços.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas