Por uma mobilização real
Um dia só não basta, o dia 7 deve ser um ponto de partida e a CUT precisa passar a integrar a mobilização permanente que se realiza em todo o País pelo “Fora Bolsonaro”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
RP-Cut-Manifestacao-20151003-111
A CUT precisa liderar a luta pelo Fora Bolsonaro como fez na luta contra o golpe | Foto: Arquivo/DCO

No momento em que estamos próximos de completar 100 mil mortos e cerca de 3 milhões de pessoas infectadas, em que batemos recordes seguidos de desempregados e famintos e com o maior rebaixamento salarial de todos os tempos, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), junto com outras “centrais sindicais”, convocou para a próxima sexta-feira, dia 7, o Dia Nacional de Luta em Defesa da Vida e dos Empregos.

Segundo proposta divulgada pela CUT,

a data deverá ser marcada por paralisações de 100 minutos nos locais de trabalho como protesto pela morte de 100 mil brasileiros e brasileiras, vítimas do novo coronavírus (Covid-19)

A Central informou ainda que haverá outras manifestações articuladas entre as centrais e as frentes Brasil Popular e Povo sem Medo.

De acordo com a secretária-geral da CUT, companheira Carmen Foro,

Precisamos dizer em alto e bom som que não sairemos desta crise com Bolsonaro no poder. É fundamental denunciarmos as 100 mil mortes e principalmente pedirmos providências contra este governo que aprofunda a crise por irresponsabilidade, por não ter tomado medidas sanitárias e econômicas adequadas ao enfrentamento da pandemia

que acrescentou também que,

o dia de luta vai marcar politicamente a importância da pressão sobre este governo frente ao crescimento do desemprego que já atinge 12,4 milhões de pessoas, e também para dizer não ao desmonte do patrimônio público e as privatizações

Dentre os eixos apresentados pelas entidades para a atividade, com o declarado intuito de “potencializar a Campanha ‘Fora, Bolsonaro’”, destacam-se as seguintes bandeiras:

  •  Repudiar a volta às aulas que prefeitos e governadores estão buscando impor;
  • Exigir das autoridades os equipamentos de proteção individual e coletivo para os trabalhadores das categorias essenciais, em especial os da área de saúde;
  • Lutar pela manutenção do auxílio emergencial de R$ 600,00, no mínimo, até 31 de dezembro de 2020;
  • Exigir a ampliação das parcelas do seguro desemprego;
  • Liberar crédito para as micro e pequenas empresas;
  • Fortalecer o Sistema Único de Saúde (SUS);
  • Agir para que o Congresso Nacional derrube os vetos presidenciais que impedem a garantia dos direitos conquistados pelos trabalhadores e trabalhadoras e seus sindicatos, por meio da ultratividade, dos acordos e convenções coletivas de trabalho.

Na orientação enviada às entidades cutistas, seus dirigentes, apontaram como propostas, além das paralisações de 100 minutos nos locais de trabalho, a “realização de ações simbólicas” nas principais cidades do Brasil denunciando a política genocida de Bolsonaro frente à pandemia, indicando como sugestões a “instalação de cruzes brancas em locais de grande circulação de pessoas ou em pontos turísticos das cidades, circundando uma faixa (da cor preta) com a inscrição Fora Bolsonaro (em branco)”.

A iniciativa da maior e mais importante organização dos trabalhadores do País, significa um importante passo no sentido de quebrar a enorme paralisia que domina o movimento operário diante da política dominante na esquerda de colocar-se em “quarentena”, manter fechados os sindicatos e demais organizações dos trabalhadores e da esquerda, enquanto apoiava – de fato – a política reacionária dos governadores e prefeitos que, em sua maioria, se passavam , por oposição à Bolsonaro, mas que – na prática – são os executores de sua política e de todo o imperialismo e do grande capital nacional de deixar a população morrer (genocídio!) e “socorrer” os bancos e demais tubarões capitalistas.

Nesse sentido é preciso impulsionar a mobilização do dia 7, e trabalhar para que ela sirva para romper com essa política conciliadora. Para tanto, é preciso passar das “ações simbólicas” para ações efetivas de enfrentamento aos ataques do governo e em defesa das reivindicações dos explorados. É preciso superar a política reacionária das demais “centrais”, que não querem lutar pelo “Fora Bolsonaro”, seja por estarem dirigidas por setores da esquerda que defendem a “frente ampla” – a aliança com os golpistas que não querem derrubar o presidente ilegítimo (como Rodrigo Maia e FHC) – ou por setores vinculados aos patrões e à direita (como a Força Sindical e a UGT) que ajudaram a derrubar Dilma Rousseff e eleger Bolsonaro.

Nesse sentido, um dia só não basta. O dia 7 deve ser um ponto de partida e a CUT precisa passar a integrar a mobilização permanente que se realiza em todo o País pelo “Fora Bolsonaro”. Atos simbólicos e ações institucionais não servem para derrubar Bolsonaro e conquistar as reivindicações fundamentais diante da crise. Para tal é necessário organizar uma intensa campanha junto aos trabalhadores, convocando uma mobilização real.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas