“Neoliberalismo: o caminho do Brasil é a Argentina”

radio

O programa Análise Política da Semana é apresentado todos os sábados, a partir das 11:30, por Rui Costa Pimenta, presidente nacional do Partido da Causa Operária (PCO), no canal Causa Operária TV e na Rádio Causa Operária.

É um momento de análise e de debate relacionados aos acontecimentos importantes que permeiam recentemente o cenário político nacional e internacional, com perguntas do público presente no Auditório Frederich Engels e pelos que acompanham a Análise Política pela internet. Além disso, constituiu-se, nos últimos anos, num meio de orientação para a esquerda em geral, para os movimentos sociais e para as organizações populares, que buscam clareza e direcionamento para a luta contra o avanço do Golpe de Estado no Brasil.

No sábado passado, dia 20/04, o companheiro Rui demonstrou o quanto que a situação política e econômica da Argentina afeta o Brasil: comentou sobre como a crise econômica argentina atinge a economia brasileira e sobre o desastre da política neoliberal implantada na Argentina, que é um reflexo para os efeitos que o neoliberalismo trará para o Brasil. Segue o comentário abaixo:

“O segundo fato é que isso aqui tem uma importância decisiva para o Brasil. Porque a economia argentina é, num certo sentido, parecida com a brasileira, só que mais fraca. E dentro do sistema de economias latinoamericanas, nós temos tido a experiência de que os acontecimentos nos países próximos do Brasil acabam se transformando em acontecimentos brasileiros. O Brasil acompanhou muito de perto todo o desenvolvimento da crise política latinoamericana, em particular, a da Argentina.

Isso daí chama muito a atenção, porque o primeiro estágio da aplicação da política neoliberal, quero dizer, essa nova etapa, levou a Argentina a uma falência total: um aumento extraordinário da pobreza; o país praticamente está voltando à situação que havia antes do “argentinaço”, e o que nós vemos no Brasil é a mesma coisa: as receitas neoliberais aqui não resolveram problema nenhum. Veja que, na Argentina, o Macri fez a tal “Reforma da Previdência”. No Brasil, o governo não está nem conseguindo fazer a Reforma da Previdência e, mesmo assim, isso daí não resolveu nada: o país está afundando lá de uma maneira espetacular! Quer dizer: é indicativo (para que a gente tome nota) do fato de que a política neoliberal apresenta aí uma tendência fortíssima de não dar certo.

A imprensa brasileira procurou disfarçar o fato com duas coisas que são praticamente um “humor político”: um jornal chamou o Macri de “traidor”, porque ele “abandonou” a política neoliberal e adotou a intervenção econômica (uma intervenção, inclusive, dura na economia, dado o padrão neoliberal). Lógico que não se trata de “traição” nenhuma! Ele é um homem que defende a mesma política que a burguesia brasileira, atrelada ao imperialismo, defende. Quanto a isso, não há dúvida nenhuma. Só que, o que aconteceu não é que ele é uma pessoa “sem caráter”. O que aconteceu é que a coisa escapou do controle. E quando escapa do controle, não dá para você ficar lá com um programa vazio: “Vamos deixar que a economia se restabeleça sozinha…” Não vai acontecer isso aí! A economia não vai se restabelecer sozinha, por isso ele foi obrigado a intervir na questão dos preços.

Segundo, procurar mostrar que a economia argentina é completamente diferente da economia brasileira, o que é falso, na verdade. Inclusive, o naufrágio da economia argentina afeta diretamente o Brasil. O Brasil é um dos países com a maior taxa de exportação para a Argentina. O maior exportador da Argentina é o Brasil. À medida que esse país despenca, a economia brasileira é duramente afetada.

Então, a burguesia aqui procura disfarçar de todas as maneiras uma situação que vai se conformando, na verdade, em todos os lugares: que é que a receita neoliberal (isso a gente deveria deixar bem esclarecido) vai ter um papel extremamente destrutivo, mas não vai ter nenhum papel construtivo. Na verdade, é uma operação desesperada de salvação de bancos e grandes empresas do capital financeiro devido ao agravamento da crise.

No Brasil, inclusive, nós tivemos a notícia (que mostra que a situação brasileira não caminha distante da situação argentina) de que, contrariamente a todas as previsões “pessimistas”, a economia brasileira não teve nenhum crescimento nos últimos 3 meses. O primeiro trimestre do ano deu um crescimento negativo. Quer dizer: havia a expectativa de que o Brasil crescesse este ano 2,2% (o que não é um crescimento de verdade; não é crescimento de fato) e, na realidade, está apontando aí para um crescimento de zero para baixo, a continuar com a situação. A situação de miséria no Brasil vem se ampliando, e isso já é uma realidade.”

Ouça o áudio com o comentário do Rui sobre o tema acima através do link: