Siga o DCO nas redes sociais

Esquerda comemora genocídio
Nenhuma vitória: MP da grilagem virou projeto de lei
Votação da MP da grilagem foi adiada em acordos entre os latifundiários e a direita, agora é o PL da grilagem que está para ser votado. Enquanto isso a esquerda demagoga comemor
16dez2019---marcelo-ramos-pl-am-em-sessao-de-prisao-em-2-instancia-1578010912607_v2_1920x1280
Esquerda comemora genocídio
Nenhuma vitória: MP da grilagem virou projeto de lei
Votação da MP da grilagem foi adiada em acordos entre os latifundiários e a direita, agora é o PL da grilagem que está para ser votado. Enquanto isso a esquerda demagoga comemor
Marcelo Ramos (PL/AM) é o relator do PL da Grilagem e quer votá-lo com urgência. Foto: Frederico Bra
16dez2019---marcelo-ramos-pl-am-em-sessao-de-prisao-em-2-instancia-1578010912607_v2_1920x1280
Marcelo Ramos (PL/AM) é o relator do PL da Grilagem e quer votá-lo com urgência. Foto: Frederico Bra
Da redação

Com a crise financeira acentuada com o coronavírus, a luta pela terra precisa ser levada a sério. Os latifundiários, uma das principais bases de apoio do Bolsonaro, mais do nunca querem avançar com a grilagem de terras para facilitar a exploração dos recursos e da população brasileira no momento de pandemia. Eles se aproveitam, da paralisação da esquerda, a qual se recusa a mobilizar a população enquanto centenas morrem todos os dias.

A Medida Provisória 910/19 está justamente nesse âmbito, classificada como MP da grilagem ou da regularização fundiária. Caso aprovada, ela regulariza milhões de hectares de terra griladas, essas, responsáveis pelo aumento do desmatamento e da corrida por terras na região amazônica, ou seja, perdoa uma série de crimes de roubo de terra e de destruição ambiental. Ainda, favorece novos processos de grilagem oficializando e promovendo a autodeclaração em diversas áreas e diminuindo os preços para os latifundiários. É um ataque direto não só a todo povo brasileiro, mas especialmente aos trabalhadores do campo e aos povos indígenas, que precisam lutar constantemente para terem direito a algum terreno do qual possam sobreviver.

Leia Também  Comunidades na Amazônia denunciam o abandono diante do COVID-19

No dia 12 deste mês, houve um adiamento da votação de tal MP, ela virou o Projeto de Lei (PL) 2633/20, para tramitar em regime de urgência, o que significa que foi classificado para ser votado com urgência, podendo ser já nesta quarta-feira (20/05) pela Câmara. A esquerda parlamentar comemorou vitória alegando que uma pressão ocasionou no adiamento, mesmo que Rodrigo Maia (presidente da câmara do democratas) tenha se comprometido em dar cabo a votação.

Na realidade não houve nenhuma pressão, a esquerda não moveu um dedo para mobilizar e organizar o povo para exigir o cancelamento dessa MP criminosa. O que aconteceu foi um acordo entre a direita, o centrão, para bajular os ruralistas e os latifundiários, que por serem fundamentais ao governo bolsonaro como essa MP é para eles, têm cargos além de propinas para oferecer aos oportunistas golpistas. Uma vez que a esquerda exclama vitória demagogicamente, ela retranca todo o movimento contrário ao Projeto de Lei da grilagem, que deve ser aprovado em pouco tempo, assim, o adiamento serve também para esconder e aprovar as medidas com menos reação popular.

Leia Também  PR: Jagunços aproveitam pandemia atiram contra aldeia Guarani

Não adianta mobilizar a burguesia para salvar o povo, ela já possui os votos, e se não os votos, a autoridade para fazerem o que bem entende, seu único limite é organização combativa popular, a qual ela teme mais do que tudo. Esse medo é completamente justificado, é a população mobilizada, a franca maioria, que pode derrubar a burguesia de seu regime ditatorial, que pode também acabar com qualquer grileiro latifundiário. Sobre o pretexto da crise e do acirramento da luta de classes, é preciso mobilizar os trabalhadores, nesse caso, principalmente os rurais para exigirem o cancelamento desse PL, que não é urgente, é genocida.