Nem o negro da campanha de Bolsonaro é brasileiro

oie_2022418uVZ5MkwI

Por mais que tente disfarçar, o candidato da extrema-direita, Jair Bolsonaro, deixa claro que ao contrário do que apresenta, suas campanhas em nada representam o país e muito menos os brasileiros. Verdadeiramente, representa tudo aquilo que vai contra a população e a massacra. Fato é, que após o suspeito ataque ao fantoche da direita, diferentemente da comoção geral esperada pelo candidato, sua rejeição ficou ainda mais acentuada.

Recentemente, vem sendo divulgado um vídeo atribuído como campanha do candidato. No suposto vídeo, em cena, está uma mulher negra e por meio de narração no vídeo, declara-se “Sim, sou mulher negra e vinda de família pobre. Mas não passei procuração para que ninguém fale em meu nome. Há muitos anos me libertei do vitimismo que ainda insistem em me colocar nos ombros”.

Esta seria a tentativa, de demonstrar que existe apoio da população negra ao candidato fascista, e principalmente das mulheres. Mas, como tudo na figura de Bolsonaro, o candidato patriota, foi constatado, que o vídeo é de um diretor canadense, assim como a atriz que aparece na filmagem, e que ao contrário do que se apresentou, é uma executiva de uma multinacional.

Essa é a verdadeira face do candidato “defensor” do Brasil acima de tudo. Bolsonaro está ao lado do imperialismo norte-americano, a favor do massacre do povo brasileiro, totalmente contrário à soberania nacional. Sua campanha é tão falsa quanto sua defesa do país, portanto cada vez fica mais claro a quem serve o representante da extrema direita, e que certamente não é o Brasil.

Em sua defesa, a advogada de seu filho alegou que não houve nenhum crime eleitoral ou qualquer coisa que comprometesse a campanha do candidato, uma vez que não é um vídeo oficial. Também afirmou que não se tem a obrigação das personagens retratadas vivenciaram na realidade o que estão representando.

Resumindo, a defesa de Bolsonaro é: “Não é ilegal mentir ao povo, e nem é ilegal fazer demagogia com a população negra, mesmo sendo racista.”